_
_
_
_

Gary Cohn, principal assessor econômico de Trump, renuncia por discordar da guerra comercial

O influente assessor deixa a Casa Branca suplantado pela vitória da ala radical

Jan Martínez Ahrens
Gary Cohn em setembro, na Casa Branca.
Gary Cohn em setembro, na Casa Branca.Yuri Gripas (REUTERS)

A guerra comercial iniciada por Donald Trump já tem sua primeira vítima. O poderoso assessor econômico da Casa Branca, Gary Cohn, renunciou na terça-feira por discordar do presidente na guerra tarifária. A queda de Cohn representa uma derrota do setor moderado diante dos falcões, mas significa principalmente a saída de um dos membros mais prestigiosos do gabinete, o cérebro da reforma tributária e um dos poucos cargos de alto escalão capazes de corrigir o presidente, como fez em agosto quando Trump, depois do crime racista de Charlottesville, manteve-se distante.

“Esta Administração pode e deve fazer mais para condenar esses grupos de forma coerente e inequívoca, bem como fazer todo o possível para combater as profundas divisões que existem em nossas comunidades. Os cidadãos que defendem a igualdade e a liberdade nunca podem ser equiparados aos supremacistas brancos, neonazistas ou a KKK [Ku Klux Klan]”, disse na ocasião em uma entrevista ao Financial Times. Essas palavras causaram a impressão de que Cohn iria deixar o cargo. Mas ele permaneceu e, no fim, foi uma disputa anterior, quase congênita a Trump, que determinou sua saída.

Mais informações
Trump acende estopim de uma guerra comercial e diz que os EUA a vencerão
UE prepara represálias comerciais como resposta à guerra do aço
Diretora de comunicação da Casa Branca pede demissão

Vindo do Goldman Sachs, Cohn, de 56 anos, era um tecnocrata que apostava mais no pacto do que na batalha. Pragmático, de verbo fácil e reconhecido por seus colegas do mercado financeiro, estava nas antípodas do assessor comercial, Peter Navarro, o desmesurado economista que conseguiu que Trump rompesse as amarras e preparasse o aumento unilateral das tarifas para o aço (25%) e o alumínio (10%). Uma medida que a União Europeia respondeu com a ameaça de represálias.

Cohn tentou, por todos os meios, deter a conflagração. Assim como fez com o Acordo de Livre Comércio da América do Norte (NAFTA, na sigla em inglês), procurou priorizar a negociação. Mas desta vez falhou. Nem mesmo sua vitória com a titânica reforma fiscal, o maior êxito político até a data da Casa Branca, serviu para impor sua palavra. Trump, saudado por Navarro e pelos epígonos de Steve Bannon que ainda permanecem na Casa Branca, voltou às raízes, levantou a bandeira da América Primeiro e anunciou que as guerras comerciais são “boas e fáceis de ganhar”.

O golpe foi muito grande para o financista de Wall Street. Seu teórico subordinado, Peter Navarro, havia ganhado o jogo e imposto a linha dura em um assunto altamente volátil e que marcará a estratégia econômica do mandato. Os Estados Unidos, contra seu critério, enfrentava com rudeza seus parceiros e vizinhos. Europa, Canadá e México sofreriam os ataques. E o próximo da lista era a China. O gigante asiático, que até agora se manteve a salvo da ira de Trump por seu apoio no cerco à Coreia do Norte, entrava em rota de colisão.

Cohn considerou, e assim o fez saber aos seus colaboradores, que essa agitação geral afetaria a economia norte-americana. Mas foi afetado principalmente pela ascensão do setor nacionalista. A Casa Branca já não era seu espaço. Suplantado pelos radicais, ignorado pelo presidente e desconfortável no cargo, tornou pública sua decisão de sair.

Ao contrário de outras renúncias, sua saída foi apresentada de forma organizada. A Casa Branca anunciou no meio da tarde e em um comunicado que incluiu sua declaração, a do presidente e a do chefe do gabinete e aliado, John Kelly. Tudo foram boas palavras.

“Foi uma honra servir meu país e trabalhar pela melhoria das políticas econômicas, especialmente a histórica reforma tributária. Agradeço ao presidente por esta oportunidade e desejo a ele um grande sucesso”, afirmou Cohn. “Gary fez um excelente trabalho, ajudando a superar os cortes nos impostos e liberando a economia. É um grande talento”, disse o presidente. A agitação ficou para trás; à frente, a guerra.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_