Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Por que temos mais desejo sexual no começo de uma relação?

Fatores biológicos e psicológicos estão por trás da eventual diminuição de libido

É costume dizer que o sexo é como andar de bicicleta, que nunca se esquece. Mas o certo é que a frequência das relações pode influenciar em nosso nível de perícia e até mesmo em nosso desejo sexual. Tanto para o bem como para o mal.

Como explica Myriam Belmar, endocrinologista do Hospital Vithas Nisa Pardo de Aravaca, “se as relações são gratificantes, nosso organismo nos pedirá para voltar a tê-las para voltar a experimentar a satisfação que geram”. A especialista detalha que isso se deve ao sistema de recompensa. A lógica desse mecanismo é que durante o ato sexual e a excitação são produzidas endorfinas, dopamina e serotonina, “que são as mesmas emitidas quando comemos chocolate, fazemos compras agradáveis e realizamos exercício físico”. De acordo com a especialista, esses hormônios criam uma sensação de prazer e bem-estar “estimulando nosso sistema cerebral de recompensa”, o que produz um “pseudo-vício e a necessidade de voltar a experimentar o estímulo que eles geraram”.

As flutuações da libido

A má notícia, entretanto, é que essa ligação sexual não dura para sempre. Como diz a endocrinologista “essa sensação irá diminuindo à medida que ficarmos sem manter relações sexuais e nosso corpo se esquecer do clímax previamente alcançado, o que fará com que não precise tão ativamente de um novo encontro sexual para se atingir esse bem-estar”.

Algo que parece ser mais comum entre as mulheres do que entre os homens, de acordo com um estudo publicado em Sexual and Relationship Therapy, que também concluiu que “as mulheres experimentam uma diminuição no desejo sexual no transcurso de suas relações”. A razão, diz o estudo, é que, pelo menos no caso delas, esse desejo mais intenso no começo das relações se deve “à necessidade de se conectar intimamente com o companheiro”.

Outra questão a ser levada em consideração é como a libido pode ser flutuante. Tal como diz a endocrinologista, “a libido é o termo que utilizamos quando nos referimos ao desejo sexual, esse impulso e motivação que nos incita a manter relações sexuais”. Não é, entretanto, algo estável e que se manterá com o tempo, uma vez que, segundo Myriam Belmar, “os níveis da libido variam enormemente de uma pessoa à outra, e até mesmo ao longo do dia, em função das características pessoais de cada indivíduo e de condicionantes externos ao próprio sujeito”.

Uma alimentação desequilibrada diminui o desejo sexual

Além do tempo de duração de uma relação mencionado pelo estudo, a especialista aponta os fatores que condicionam a libido que, “de um ponto de vista científico, tanto os biológicos como os hormônios influenciam notavelmente na libido e desempenham um papel muito importante em seu surgimento e potencialização. Somos pura química e grande parte de nossas ações, sentimentos e comportamentos são o resultado da combinação de reações bioquímicas que ocorrem em nosso organismo”.

Apesar disso, existem outros fatores: “Não podemos nos esquecer da parte psicológica, o estresse diário, uma alimentação desequilibrada e a falta de sono, que também influenciam diretamente no desejo de manter relações sexuais”, diz Belmar. Até “alguns tratamentos médicos como os ansiolíticos, cirurgias como a histerectomia – extração do útero – e a orquiectomia – extirpação total ou parcial do testículo – e determinadas doenças, além do envelhecimento, podem causar diminuições dos números de testosterona e estrógenos e desencadear uma diminuição do desejo sexual”.

A progesterona: o hormônio que interrompe a libido

Por outro lado, a endocrinologista pondera que “também existem diferenças entre os sexos”. Sobre isso, a literatura científica relata que “enquanto a libido nos homens costuma ser bem constante, oscila muito nas mulheres, condicionada pelas mudanças hormonais no ciclo menstrual”.

Dessa forma, é preciso levar em consideração que “na primeira metade do ciclo menstrual, aumentam os níveis de estrógenos que favorecem o fluxo sanguíneo na vagina e clítoris, facilitam a lubrificação e aumentam o desejo sexual”. Pelo contrário, “o aumento da progesterona que ocorre em dias anteriores à menstruação e durante a mesma é o responsável pela chamada síndrome pré-menstrual, que em muitas mulheres pode ser associada à inapetência sexual, irritabilidade, apatia e ânimo deprimido”.

É por isso que, como explicou um estudo publicado no The Canadian Journal of Human Sexuality “os níveis de desejo tendem a flutuar com o tempo”, de modo que “as discrepâncias no desejo sexual são uma característica inevitável das relações sexuais” e ainda que a percepção dessa discrepância não se ajuste totalmente à realidade, como puderam comprovar os pesquisadores, “afeta a satisfação entre as relações”.

Apesar disso, a sexóloga Núria Jorba afirma que uma coisa que tanto homens como mulheres possuem é o fato de que “ambos têm a pressão de gostar de sexo e fazê-lo bem”. No que se diferenciam, além da biologia, é nas pressões sociais e no excesso de expectativas. Por exemplo, no caso masculino o desejo sexual pode ser mais marcado pela “pressão inicial de ter uma ereção e de não terminar muito rápido”. Enquanto isso, no caso das mulheres é mais comum “a ansiedade por mostrar seu corpo e por ter que chegar ao orgasmo”.

E com menos sexo, menos vontade?

Outra questão colocada pela sexóloga é que se com uma quantidade maior de relações sexuais, maior o desejo, o contrário também pode acontecer. Ou seja, que após um tempo sem manter relações nosso corpo se acostume a não tê-las, e até se mostre reticente a um novo encontro.

Nesse caso, a resposta, mais do que biológica, teria uma explicação psicológica. Lembrando a metáfora de que o sexo é como andar de bicicleta, Jorba afirma que “se há muito tempo não andamos de bicicleta, quando vamos fazê-lo temos certa sensação de pressão, medo, ansiedade. É a perda de controle e segurança”.

Para concluir, a sexóloga coloca que “quando mantemos relações assiduamente faz parte de nossa rotina e temos facilidade de relaxar e não pensar, porque há uma experiência próxima positiva, mas quando passa certo tempo a mente não tem essa segurança e então surge a ansiedade de execução”.

Por isso, se estamos atravessando uma etapa de seca, para não perder o treinamento e para que depois não fiquemos nervosos, a sexóloga recomenda “não deixar de nos conectar com nossa autosexualidade, o pensar no sexo, fantasias, desejos, ou seja, nos sentir eróticos com nosso corpo e nos estimular para fomentar o prazer”.

Na suposição de que a situação se complique e no momento em questão nos assaltem os bloqueios, a angústia e a pressão, Jorba afirma que não há nenhum problema em procurar um profissional que nos ajude a lidar com eles, para voltar a aproveitar tal como fazíamos antes.

MAIS INFORMAÇÕES