Seleccione Edição
Login

Esquerda brasileira se une em torno de “programa mínimo”, mas nega candidatura única

Fundações do PT, PCdoB, PDT e PSB discutem programa único para país, que pode contar com apoio de PSOL

Lula candidato após condenação
Lula, em ato um dia após sua condenação no TRF4. EFE
São Paulo / Porto Alegre

Horas depois de ter sido condenado em segunda instância a 12 anos e um mês de prisão, Luiz Inácio Lula da Silva exaltava, do alto de um caminhão de som no centro de São Paulo, uma possível junção da esquerda. "Eles que se preparem: partidos de esquerda terão a compreensão de que precisam se unir", dizia ele, em uma ideia repetida muitas vezes ao longo dos últimos dias.

Mas mesmo sob a possibilidade de não ter um nome forte nas eleições de outubro, já que Lula pode se tornar inelegível, os partidos de esquerda negam a possibilidade de se unir em torno de uma candidatura única. Assumem, sim, uma junção, mas apenas na esfera programática, correndo o risco de, com cinco candidatos, sumirem nas propagandas eleitorais pelo baixo tempo de TV que terão sem alianças partidárias robustas. 

Duas das figuras presentes nos palanques de Lula nesta recente crise, por exemplo, deverão ser candidatos em outubro. A deputada Manuela D'Ávlila (PCdoB-RS), já anunciou sua pré-candidatura e afirmou ao EL PAÍS que ela está mantida. E o líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos, já é considerado no PSOL como pré-candidato, embora ainda não tenha se filiado ao partido, que também reforçou à reportagem que terá candidato próprio. Os demais partidos da esquerda também já têm pré-candidatos próprios: Ciro Gomes, pelo PDT, e Aldo Rebelo, pelo PSB. E nenhum deles pretende abandonar suas candidaturas para sustentar a de Lula, mesmo discordando da condenação no Tribunal Regional Federal 4, nesta última quarta.

As dificuldades de uma união da esquerda em torno de um único nome passam por aspectos práticos e ideológicos. O PCdoB, que nas últimas sete eleições presidenciais apoiou o PT, precisa eleger mais deputados federais que nos últimos anos para garantir a representatividade futura do partido no Parlamento, algo que está ameaçado desde a aprovação da última reforma política. Como, nos últimos anos, a aliança com os candidatos petistas rendeu ao partido pouco protagonismo, ele precisa sair à luz e mostrar suas ideias. E a melhor forma de dar visibilidade para as suas plataformas é por meio de um candidato à Presidência.

Já o PSOL, que no máximo até março deve confirmar a candidatura de Boulos, acumulou nos últimos anos muitas divergências com a postura do PT no Governo, fazendo uma clara oposição a muitas de suas políticas. "O PSOL terá candidato próprio. Temos nossa ideologia e uma reserva ética que nos dá condições de apresentar um candidato", reforça o deputado federal Ivan Valente. "Discordamos de muitas coisas feitas pelo PT nos últimos anos, como as monstruosas isenções fiscais que beneficiaram a elite e a escolha de Joaquim Levy para o Ministério da Fazenda", explica.

Ao reafirmarem seus cinco candidatos de esquerda nas próximas eleições, os partidos argumentam que não acreditam que isso beneficiará um candidato de direita, já que o lado conservador da disputa também está bastante fragmentado. É um cenário que deve tornar a disputa completamente pulverizada, algo que se assemelha a vista em 1989, primeira eleição direta democrática após um longo período de ditadura militar. Até Fernando Collor, que saiu vitorioso daquela eleição e depois sofreu impeachment, já anunciou que será candidato em outubro.

Um único programa

Apesar de não concordarem com a tese de uma candidatura única, os partidos de esquerda discutem, sim, uma união. Mas em torno de um "programa mínimo", conforme definiu Manuela D'Ávila. "As fundações dos partidos estão elaborando um programa com propostas em diversas áreas que servirão como plataforma". O documento, que está previsto para ser apresentado na Câmara dos Deputados no próximo dia 15 de fevereiro, está sendo elaborado desde o ano passado pelas fundações ligadas aos partidos: Perseu Abramo (PT), João Mangabeira (PSB), Mauricio Grabois (PCdoB) e Leonel Brizola (PDT). A Fundação Lauro Campos (PSOL) também pode se juntar ao grupo, após ter feito algumas propostas.

"Há algum tempo estamos tentando construir um discurso que contemple as diferentes teses da esquerda, algo especialmente importante em um momento em que a direita se avolumou e faz campanhas de terrorismo, como esta recente da reforma da Previdência", explica o presidente da Fundação Leonel Brizola, Manuel Dias, ex-ministro do Trabalho nos governos Lula e Dilma. "A ideia é fazer um discurso único, uma revisão histórica da esquerda", destaca ele, que afirma que haverá propostas para um "plano nacional de desenvolvimento". Serão pontos em diversas áreas, como educação, economia e direitos sociais. O presidente da Fundação Leonel Brizola destaca que ainda que os candidatos sejam distintos os partidos concordam com "alguns princípios universais". "Seria o ideal unir as forças em torno de uma candidatura unificada. Mas hoje isso é muito difícil."

A participação do PSOL no projeto, por enquanto, ainda está indefinida. O presidente do partido, Juliano Machado, explica que seus dirigentes enviaram suas contribuições para construir o documento e agora aguardam para saber se elas serão incorporadas. "Incluímos uma série de sugestões, mas não sabemos se serão aceitas, porque algumas não são defendidas por alguns dos partidos", diz Machado. "Fazemos críticas às parcerias público-privadas, por exemplo, mas não sabemos se PDT e PSB concordam com isso".

Ele diz que se trata de uma "plataforma de convergência, não eleitoral". "É uma plataforma de convergência, que serve para o debate da esquerda". Quanto a isso, todos os partidos estão de acordo. "O documento não implica nas candidaturas", diz Carlos Lupi, presidente do PDT. "É apenas um programa mínimo, para que, aquele do nosso campo que vencer a eleição, tenha uma linha de políticas públicas que a gente considera importantes para a defesa da população", explica. Ele lembra que a pré-candidatura de Ciro Gomes será lançada no dia 8 de março, dia internacional da mulher.

Lupi coloca os direitos dos trabalhadores e a educação em tempo integral como algumas das principais linhas de defesa do programa, além do "questionamento do sistema financeiro". "Não adianta garantir programa social sem tocar no câncer que é o sistema financeiro", afirma.

A expectativa dos partidos é que a construção deste documento cria um diálogo comum entre as legendas da esquerda. Márcio Pochmann, presidente da Fundação Perseu Abramo, ligada ao PT, comemora a iniciativa. "É um evento inédito no Brasil, uma tentativa de construção de diretrizes programáticas com partidos no campo progressista, que permite simultaneamente o lançamento das diferentes candidaturas", diz.

Apesar do aceno a uma possível reconstrução da esquerda, o lançamento do programa deve ficar, por ora, apenas no plano das ideias. "Não é um programa de Governo", diz Pochmman. "Está mais na linha de um projeto de desenvolvimento para o país, que é algo mais a longo prazo", diz.

MAIS INFORMAÇÕES