Olhares cinematográficos sobre a América Latina em 2017

O EL PAÍS apresenta uma lista dos longas de ficção e documentários mais bem avaliados pela crítica da região

Daniela Vega em ‘Uma Mulher Fantástica’, de Sebastián Lelio.
Daniela Vega em ‘Uma Mulher Fantástica’, de Sebastián Lelio.

Mais informações

EL ESPECTADOR, a revista de cinema latino-americano do EL PAÍS, elegeu os melhores filmes da região em 2017. A lista, composta por longas de ficção, documentários e séries de TV, reflete o poderoso pulso narrativo latino-americano, que conta histórias independentemente do formato e do gênero. Na lista deste ano há a volta de cineastas importantes e a consolidação de novas vozes que estão fazendo sucesso internacional. Como de costume no cinema da região, os filmes refletem temas políticos como o tráfico de drogas, a violência arraigada e a discriminação. Embora sejam temas muito presentes, todos são abordados com novas visões e de outros ângulos.

Brasil

As Boas Maneiras, de Juliana Rojas e Marco Dutra

Um lobisomem órfão e criado por uma babá assusta e mexe com a religiosidade da população em uma São Paulo sombria e soturna. O enredo de As Boas Maneiras, com direção de Juliana Rojas e Marco Dutra, talvez não seja o que se espera do cinema brasileiro - tão ligado às questões sociais do país -, mas conquistou o público e a crítica em 2017, tendo levado, entre outros, o prêmio de melhor filme no Festival do Rio de Janeiro e do júri especial de Locarno, na Suíça. Rojas e Dutra se especializaram na linguagem do terror, com tão poucos representantes no Brasil, e têm chamado a atenção faz algum tempo, tanto é que seus filmes estão sempre presentes nos festival de Cannes. Apesar da temática, As Boas Maneiras não deixa de falar do país: uma babá negra, como tantas são no país, acaba como responsável por criar uma criança de classe média em uma cidade murada, com poucos espaços públicos e desigual.

Me Chama de Bruna, série produzida pela FOX

Bruna Surfistinha era o codinome usado por Rachel Pacheco, uma jovem de classe média, em São Paulo, que entrou para a prostituição e começou a contar suas experiências em um blog. Sua história, apesar de não ser um caso único no mundo, acabou ficando famosa e motivou ao menos um livro e um filme de grande circulação. Em 2016, a FOX usou a trajetória de Pacheco como mote para a série Me Chama de Bruna, protagonizada pela atriz estreante Maria Bopp. O sucesso conquistado no Brasil e em outros países da América Latina, onde está disponível pelo streaming da FOX, fez com que uma segunda temporada fosse lançada em outubro de 2017. No México, Argentina e Colômbia, onde é a série brasileira mais assistida, a atriz chega a ser reconhecida na rua por espectadores. Adoção, violência de gênero, machismo e vício são alguns dos temas que a série acaba tocando. Por André de Oliveira

Argentina

Zama, de Lucrecia Martel

Quase dez anos depois de seu filme anterior, A Mulher Sem Cabeça, a realizadora argentina Lucrecia Martel voltou este ano às telas com Zama, a aclamada adaptação do romance de Antonio Di Benedetto. Martel transmite a desesperada espera do protagonista por uma mudança de destino, enquanto traça um brilhante retrato da era colonial espanhola. O mexicano Daniel Giménez Cacho dá vida a esse homem patético que se inquieta e sofre sem ser capaz de tomar uma decisão que o afaste de lá. O longa, que estreou no festival de Veneza, está indicado para os prêmios Goya como melhor filme ibero-americano. Por Mar Centenera

Un Gallo para Esculapio

Uma das pessoas que souberam retratar melhor a marginalidade da Argentina na década de 1990 foi o diretor Bruno Stagnaro. Ele e Israel Adrián Caetano surpreenderam todo mundo com o filme Pizza, Cerveja, Cigarro (1998), que mostrava a delinquência juvenil de uma forma crua e hiper-realista. Stagnaro repetiu a fórmula com a minissérie Okupas (2000) e voltou a esse mundo sombrio neste ano com Un Gallo para Esculapio (Telefé e TNT), que conta em nove episódios a transformação de um jovem meio ingênuo − que, de alguém que procurava seu irmão, passou a integrar uma gangue de piratas do asfalto. A série mostra com uma estética perfeita a sordidez de alguns dos bairros da periferia de Buenos Aires e o pouco valor que a vida tem no submundo. Tudo sustentado pelas atuações brilhantes de Peter Lanzani, Cecilia Rosetto e Luis Brandoni. Por Ramiro Barreiro

Bolívia

Cocaine Prison, de Violeta Ayala

Neste documentário, os protagonistas não são Pablo Escobar ou Joaquín Guzmán Loera, El Chapo. Aqui não se vitimiza uma atriz que quis produzir um filme para um capo. Cocaine Prison, de Violeta Ayala, mostra como os soldados rasos desse negócio milionário caem e sofrem as consequências de ser capturados. Filmado durante cinco anos na prisão de San Sebastián, na Bolívia, o filme mostra a vida dos presos, muitos deles jovens e não violentos, encarcerados por tráfico de drogas. Os prisioneiros, com câmeras na mão, documentam suas vidas atrás das grades e lançam luz sobre a justiça que não funciona e sobre a superpopulação das prisões, um retrato semelhante ao de muitos países da América Latina. Ayala mostra uma pequena parte do lado mais feio dessa realidade ignorada. Por meio de um retrato engenhoso, dá um rosto humano e verdadeiro a um elemento pouco visto do comércio mundial de drogas. Cocaine Prison, que ainda não foi visto na Bolívia, teve sua estreia mundial no Festival de Cinema de Toronto e já foi exibido em Amsterdã e Havana. Por Andrés Rodríguez

Chile

Uma mulher fantástica, de Sebastián Lelio.

A família como principal fonte de discriminação é um dos principais temas de Uma Mulher Fantástica, o drama protagonizado por uma mulher transexual (Daniela Vega) onde o chileno Sebastián Lelio reitera sua obsessão pelos personagens femininos. Única produção latina na disputa pelo Oscar na categoria de melhor filme em língua não inglesa, o filme realizou um circuito brilhante: levou os prêmios de melhor direção, melhor filme e melhor atriz na última edição dos Prêmios Fénix e conseguiu uma indicação ao Globo de Ouro 2018, na categoria de melhor filme estrangeiro. Antes, na Berlinale, ganhou o Urso de Prata de melhor roteiro, escrito pelo chileno Gonzalo Maza. Uma Mulher Fantástica foi, sem dúvida, o filme do ano no Chile. Produzido pelos irmãos Juan de Dios e Pablo Larraín (No, Neruda, Jackie), o filme conta a história de Marina, uma mulher transexual que luta para manter viva a lembrança de seu companheiro, um homem separado e 20 anos mais velho. Não é um embate fácil em um país como o Chile, que o diretor volta a retratar como um lugar onde parecem permitidas as injustiças, os preconceitos e a manutenção da ordem conservadora. Como em Gloria, Lelio volta às mulheres (foi catalogado como “um grande diretor de atrizes”). Como em La Sagrada Familia, volta ao conflito permanente do Chile: a intolerância. Por Rocío Montes.

Equador

Tres familias

Em um ano de apatia no cinema pelas produções nacionais, a televisão salvou a temporada. A série Tres Familias, uma comédia de costumes de humor popular, atravessou a fronteira nesse ano e foi comprada pelo canal mexicano TV Azteca que desde outubro exibe uma adaptação. E está em negociações com a Espanha. No Equador, os seguidores da série reformulada para novela em 2016 esperam a quarta temporada que começa a ser gravada em janeiro e voltará a enredar pelas vidas de personagens cotidianos representados por alguns dos rostos mais conhecidos como Érica Vélez e Martín Calle. Por outro lado, o cinema do último ano, que ainda vive das expectativas criadas em 2016 por filmes como Alba e Translúcido, não pôde competir com a audiência e gargalhadas fáceis geradas pela paródia de três famílias: uma pobre, uma rica e uma de classe média. Por Sara España.

México

A liberdade do diabo, de Everardo González.

Esse documentário conseguiu revitalizar a visão sobre a guerra contra o narcotráfico, um assunto que monopolizou a opinião pública mexicana durante vários anos. Em sua estreia no festival de Guadalajara, o filme provocou um debate. Seu diretor, Everardo González, colocou uma máscara em vítimas e algozes e os sentou em frente a um espelho para falar de suas vidas. O resultado é um filme forte que fala sobre a penetração da violência na vida dos mexicanos e, ao mesmo tempo, uma experiência com os limites do formato do documentário como gênero cinematográfico. O filme, que ganhou prêmios em vários festivais, além dos Prêmios Fénix, chegará aos cinemas no primeiro trimestre de 2018. Certamente será um elemento ao debate sobre a militarização do México. Por Luis Pablo Beauregard.

Peru

Rosa Chumbe, de Jonathan Relayze Chiang.

O filme lançado em junho deste ano conseguiu uma audiência de 16.000 pessoas em seis semanas, uma grande conquista para um filme hiper-realista. O diretor fez um trabalho muito importante na escolha de locações em Lima, a capital peruana. Liliana Trujillo, a protagonista, recebeu o prêmio de melhor atriz no Buenos Aires Festival Internacional de Cinema Independente (Bafici) com sua interpretação de uma policial feminina que sofre pelas conquistas alheias, farta de um trabalho medíocre e uma vida minúscula que combate todas as noites bebendo e apostando. O drama também é um retrato de uma cidade duríssima aos seus habitantes, especialmente os mais jovens, como Cindy Díaz – a filha da policial Rosa Chumbe – uma jovem com um emprego informal, mal pago. Uma filha brigada com sua mãe e com seu próprio bebê. O filme foi o candidato oficial pelo Peru ao Oscar 2018 em língua estrangeira, mas não foi selecionado. Por Jacqueline Fowks.

Venezuela

A Família, de Gustavo Rondón.

Com pequenas influências de El Inca, de Ignacio Castillo Cottín, e El Amparo, de Rober Calzadilla, o filme A Família, obra-prima de Gustavo Rondón, é, de acordo com os especialistas consultados, a melhor produção venezuelana de 2017. Vencedor do Prêmio principal no Festival Latino-americano de Biarritz; premiado nos Festivais de Santiago e Lima, menção especial em San Sebastián e com excelente recepção na Semana da Crítica em Cannes, A Família elabora um retrato próprio da decadência venezuelana atual. Chega às telas em um bom momento para o cinema venezuelano em matéria de crítica e de público, uma das poucas atividades que não foram atingidas pela crise atual do país.

Conta a odisseia de Pedro, que brincando com amigos em um bairro pobre e violento de Caracas fere gravemente outro garoto que tentava roubá-lo. O drama obriga Pedro a fugir junto com seu pai por temer represálias. O jornalista Robert Gómez, crítico especializado, o define como “uma espécie de road movie que desfia um relato sobre a violência, mas não de forma clássica. (...) Rondón coloca seu olhar sobre o pai coragem, que tenta salvar seu filho e também reencontrar-se com ele”. Para Gómez, A Família é um filme “íntimo; e ao mesmo tempo um retrato de nossa paisagem emocional e urbana cada vez mais desolada”. Por Alonso Moleiro.