Editoriais
São da responsabilidade do editor e transmitem a visão do diário sobre assuntos atuais – tanto nacionais como internacionais

Um novo Eurogrupo

O português Mário Centeno precisará demonstrar uma grande capacidade de negociação no futuro desenho econômico europeu

Mário Centeno, à esquerda, cumprimenta nesta segunda-feira seu predecessor, Jeroen Dijsselbloem.
Mário Centeno, à esquerda, cumprimenta nesta segunda-feira seu predecessor, Jeroen Dijsselbloem.STEPHANIE LECOCQ (EFE)

Seus méritos o precedem. O ministro português da Fazenda, Mário Centeno, em aberto desafio a algumas das receitas mais ortodoxas de seus colegas europeus, conseguiu em dois anos controlar o déficit público e quase duplicar o ritmo de crescimento de seu país. Sua nomeação para a presidência do Eurogrupo (a reunião informal dos 19 ministros de Economia e Finanças da zona do euro) é, portanto, uma aposta distinta para um momento diferente da União Europeia e da eurozona, para a qual a OCDE acaba de elevar para 2,4% suas previsões de crescimento para 2017.

Mário Centeno, que será o primeiro presidente do Eurogrupo procedente de um país do sul da Europa e receptor de fundos europeus, prenuncia uma visão nova, afastada da pretensão em que caiu durante seu primeiro mandato o holandês Jeroen Dijsselbloem, embora ele não vá ter em Bruxelas tanta margem de manobra como em Portugal.

A presidência de Centeno, de qualquer forma, será uma presidência de transição. Amanhã mesmo, a Comissão Europeia vai propor formalmente a instituição de um superministro da Fazenda para unir as funções de direção econômica da eurozona e da União Europeia, um embrião de orçamento específico para a zona do euro e a transformação do Mecanismo Europeu de Estabilidade em um Fundo Monetário Europeu. A França foi a maior defensora desse projeto, ao qual a Alemanha poderia se unir agora com mais entusiasmo caso o socialista Martin Schulz reedite a grande coalizão com Angela Merkel.

Na transformação do Eurogrupo, seu novo presidente não terá um papel crucial, mas sim relevante. Centeno era o candidato da França e da Alemanha. A Espanha lhe deu seu firme apoio. Ele provou com sobras sua capacidade de gestão em Portugal. Em Bruxelas, terá de demonstrar, além disso, sua capacidade de negociação.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: