Argentina lança a maior operação de busca do submarino em uma área de 74 quilômetros

Cinco navios rastreiam o fundo do mar, enquanto se espera a chegada de uma cápsula de resgate

Marinheiros argentinos e norte-americanos se despedem em Comodoro Rivadávia do navio norueguês Sophie Siem, portador da nave de resgate enviada pelos EUA.
Marinheiros argentinos e norte-americanos se despedem em Comodoro Rivadávia do navio norueguês Sophie Siem, portador da nave de resgate enviada pelos EUA.Maxi Jonas (AFP)

Os dias passam e aumenta a convicção de que já não resta muito a fazer pela vida dos 44 tripulantes do ARA San Juan. Desde a sexta-feira, quando a Marinha confirmou uma explosão a bordo registrada no mesmo dia do desaparecimento do submarino, há 12 dias, as novidades diárias quase não geram expectativas. Os marinheiros informaram nesta segunda-feira que cinco navios rastreiam uma zona de 74 quilômetros quadrados, uma área minúscula comparada com a de 600.000 quilômetros de uma semana atrás. Mas repetiram a frase que os jornalistas escutam desde o primeiro dia: “Infelizmente, não há rastros do submarino”. Toda a atenção se concentra agora no lugar onde os sensores registraram a explosão, enquanto viaja para a área uma cápsula não tripulada de resgate enviada pelos Estados Unidos, capaz de descer até 600 metros.

Mais informações

O porta-voz da Marinha, Enrique Balbi, admitiu que depois de 12 dias só poderia haver sobreviventes se se adaptaram a uma situação “extrema”. Ninguém mais pergunta quanto pode haver de oxigênio disponível no interior da nave, ou se o casco pode ou não resistir à pressão de grandes profundidades. Balbi se limitou aos detalhes do deslocamento de navios e aviões que buscam o ARA San Juan diante do Golfo San Jorge, a quase 400 quilômetros da costa, justo quando termina a plataforma continental e a profundidade aumenta rapidamente. Cinco embarcações rastreiam com sonares o fundo do mar, enquanto aviões da Argentina, Brasil e Estados Unidos procuram algum indício desde o ar.

Nesta segunda-feira chegou à zona um minissubmarino de resgate que exigiu para seu traslado a reforma da popa de um navio cedido pela Noruega. A possibilidade de que o Ara San Juan tenha sido lançado para o lado do talude que dá para o abismo obrigou a planos de maior risco: na próxima terça-feira chegará ao Atlântico Sul o navio oceanográfico russo Yantar, “equipado com uma cápsula de resgate que pode descer até 6.000 metros”, disse Balbi.

O uso de semelhante tecnologia depende de os sonares localizarem o submarino, algo que não aconteceu. Não foi possível nem sequer com a ajuda de mais de dez países e os equipamentos mais modernos. A incerteza alimentou todo o tipo de versões nas redes sociais sobre o que pode ter acontecido com os 44 tripulantes. Muitas delas se enraízam na opinião pública e sobrevivem ao efêmero da mensagem, por mais disparatadas que sejam. Balbi teve de desmentir que a nave tivesse sido atacada por uma força militar estrangeira ou que a explosão registrada por uma agência da ONU naquela quarta-feira do último contato tenha sido culpa de uma mina abandonada da época da Guerra das Malvinas, em 1982. “Não temos indícios de que tenha havido um ataque externo. E não temos indícios de minas. Além disso, se houvessem, uma mina posicionada nessa profundidade não poderia explodir”, disse Balbi.

O ARA San Juan desapareceu sem deixar rastros depois de avisar a base que havia tido um problema nas baterias de propulsão. O capitão da embarcação reportou uma entrada de água pelo snorkel que se usa para renovar o oxigênio da cabine. “A água chegou através do sistema de ventilação à bandeja de baterias produzindo um curto circuito, um princípio de incêndio, ou seja, fumaça sem chama. Isso foi consertado, as baterias foram isoladas e o submarino continuou navegando com o outro sistema de baterias”, explicou Balbi. A Marinha não deu importância ao incidente, até que horas depois se perdeu todo o contato com o submarino.

A verdade é que é possível que jamais se encontre o casco. E se o encontram, mas estiver apoiado sobre o fundo do mar, a mais de 3.000 metros –uma possibilidade–, será muito complicado trazê-lo à tona. Ao drama humano se somou a crise política. Na Argentina se perguntam se o ARA San Juan, construído em 1985, estava em condições de navegar. O presidente Mauricio Macri prometeu uma investigação profunda, mas pediu que se espere o final das buscas antes de se apontar culpados.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: