Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Obsolescência programada? Estes idosos estão há 55 anos usando a mesma secadora

O casal quer enfim ‘aposentar’ este e outros eletrodomésticos depois de anos de bom uso

Sydney e Rachel Saunders com a secadora que usaram por 55 anos. Ampliar foto
Sydney e Rachel Saunders com a secadora que usaram por 55 anos.

A Samsung apresenta seu novo Note 8 enquanto a Apple desata a loucura com o iPhone X; 99% dos compradores de ambos os aparelhos - e, por extensão, do resto dos fabricantes do mercado - renova seus equipamentos movidos pelos inapeláveis impulsos de uma voraz sociedade de consumo. E não falamos precisamente de bagatelas: ambos os produtos superam o equivalente a quase 4.000 reais, uma cifra que muitos jovens, ainda sem trabalho, estão dispostos a bancar. E em meio a toda essa loucura do consumo, e depois da Black Friday, um casal de idosos de Exeter (Reino Unido) nos deixa vermelhos ao anunciar que querem se desfazer da secadora que utilizaram de modo ininterrupto durante 55 anos.

Sydney e Rachel Saunders, de 86 e 81 anos respectivamente, se transformaram em notícia depois de terem entrado em contato com um jornal local pedindo uma ajuda histórica: querem se desfazer de alguns eletrodomésticos que vêm utilizando diariamente há décadas, e não porque não funcionem, mas porque vão se mudar para um apartamento já mobiliado. “Seria uma pena jogá-los fora”, explicam, para informar que todos funcionam perfeitamente e sem nenhum tipo de problema. Falamos, em específico, de uma secadora que foi adquirida depois do nascimento de sua filha, há 55 anos, e que funcionou semanalmente com perfeição até poucos dias atrás.

Os demais eletrodomésticos têm uma vida igualmente saudável: um ferro de passar roupa, presente de casamento, que continuam usando até agora, bem como uma lavadora “que tem um pequeno vazamento”, segundo explicam. Os idosos revelaram uma realidade que agora nos custaria assumir: deveríamos manter nossos eletrodomésticos e dispositivos móveis até que se estragassem por completo? Se a resposta fosse afirmativa, nos depararíamos com outra questão incerta: quantos anos durariam esses equipamentos?

Alguém poderia dizer que os eletrodomésticos dos Saunders foram feitos de outro material, mas a realidade é que eles continuam funcionando praticamente como no primeiro dia. Pode-se pensar que antes os equipamentos eram fabricados com o objetivo de durar de forma ininterrupta até que algum dos materiais sofressem o lógico desgaste; uma lógica que agora nos choca, habituados mais a um “pelo que custa consertá-lo, melhor compra rum novo”. Uma roda que não para de girar e que obriga o cliente a ceder, vencido pelos ciclos de renovação de produto, que de algum modo marca a indústria.

No entanto, Sydney e Rachel Saunders buscam um lar para seus fiéis eletrodomésticos; levá-los a um centro de reciclagem teria sido a solução mais fácil, mas, como se desvincular de produtos que continuam funcionando? Uma publicação digital local registra seu pedido e o jornalista divulga seu email em busca de novo proprietário, como afirma Rachel, “talvez em um museu”.

MAIS INFORMAÇÕES