Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Reforma trabalhista entra em vigor sem vetar local insalubre para grávida

Texto que entra em vigor neste sábado mantém a prevalência dos acordos coletivos.

Promessa de Temer de alterar alguns pontos da reforma ainda não foi cumprida

Reforma trabalhista entra em vigor sem vetar local insalubre para grávida

A nova legislação trabalhista fruto da reforma patrocinada pelo Governo Temer entra em vigor neste sábado com a expectativa de uma batalha judicial até sua consolidação e sem as atenuantes prometidas pelo Planalto quando a reforma estava sendo votada pelo Congresso. Para garantir que o Senado aprovasse com celeridade o texto, Michel Temer se comprometeu através de uma carta, no fim de junho, a realizar ajustes nos pontos de maior divergência. Entre eles, estavam, por exemplo, a promessa de veto do trabalho de gestantes e lactantes em locais insalubres.

O texto que começa a valer mantém a prevalência dos acordos coletivos em relação à lei em pontos específicos, mas continuam inegociáveis os dias de férias, por exemplo. Propõe algumas garantias ao trabalhador terceirizado e o fim da obrigatoriedade da contribuição sindical, cria obstáculos ao ajuizamento de ações trabalhistas entre outras alterações. O documento cria ainda duas modalidades de contratação: a de trabalho intermitente, por jornada ou hora de serviço, e também o home office.

Foi justamente as regras do trabalho intermitente um dos pontos que causou mais polêmica e o presidente prometeu atenuar (leia os pontos prometidos). A ideia era estabelecer um mecanismo de quarentena de 18 meses para evitar o risco de migração de contratos por tempo indeterminado para contrato intermitente. Já no das mulheres grávidas, o objetivo era protegê-las de ambientes que ofereçam risco à saúde tanto delas como dos bebês. A estratégia de prometer aos senadores mudanças para amenizar a reforma - via  medida provisória (MP) - visava impedir que as alterações fossem feitas diretamente no texto - se isso acontecesse, tudo atrasaria, porque o projeto teria que ser avaliado mais uma vez pela  Câmara dos Deputados.

Apesar da promessa, o Planalto e o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, ainda analisam quais serão essas alterações e se elas serão feitas através de uma MP - que tem força de lei e começa a valer no momento de sua publicação, para só depois serem validadas pelo Congresso - ou de uma PL que que precisará ainda passar pela votação dos parlamentares antes de passar a valer. Ao EL PAÍS, a assessoria do Planalto afirmou que ainda não há informações sobre o tema.

Segurança jurídica

Nesta sexta-feira, o ministro do Trabalho afirmou, em pronunciamento em rede nacional, que a nova lei, garante ao povo brasileiro relações trabalhistas modernas, criando as condições necessárias para o crescimento econômico. Mais de 100 pontos da CLT foram modificados. "A modernização teve como base 3 eixos: consolidar direitos, promover a segurança jurídica e gerar empregos", afirmou Nogueira. O ministro ainda reforçou o discurso de Temer de que nenhum trabalhador foi prejudicado. "Nenhum direito a menos, muitos empregos a mais", disse o ministro que não citou o possível texto com ajustes que o Governo estaria preparando.

Ainda que a maioria dos especialistas em direito trabalhista concorde sobre a necessidade de revisar e adequar as leis atuais, muitos deles discordam da reforma que entra em vigor. Na opinião de Ricardo Guimarães, mestre em direito do trabalho e professor na PUC-SP, a reforma trabalhista foi feita de maneira açodada, com muita pressa, contrariando direitos do trabalho. "As novas formas de contratação vão fazer a migração dos poucos empregos que temos para subempregos, não criar novos empregos", diz. Ainda segundo o especialista, apesar de todos os contratos passarem a ser regidos pela nova lei, os processos antigos precisam ser analisados a luz da lei antiga. "O problema é que teremos situações em que essas duas leis vão se misturar. Se daqui a oito meses eu termino um contrato que já vigora há um tempo e entro na Justiça para reclamar sobre banco de horas, qual lei vai valer? Teremos muitas divergências", afirma.

Guimarães ressalta ainda que é cedo para prever como a Justiça interpretará a novas regras, já que ainda será criando um entendimento jurídico sobre o tema. "Não é a lei que dá a segurança jurídica, é a lei aplicada, ou seja a repetição daquele tema nos tribunais, criando jurisprudência é o que vai dar a segurança", explica.

Entenda o que muda a partir deste sábado nas relações trabalhistas:

MAIS INFORMAÇÕES