O diretor de ‘La La Land’ rodará uma série musical com a Netflix

Em ‘The Eddy’, Damien Chazelle contará a história do dono de um clube de jazz em Paris

Damien Chazelle dirige Ryan Gosling
Damien Chazelle dirige Ryan Gosling

A dança continua em Paris. Afinal, era para lá que Mia, a protagonista de La La Land, sonhava se mudar. Agora, Damien Chazelle, diretor do musical mais festejado dos últimos anos, o fará de verdade: seu próximo projeto será a série The Eddy, produzida pela Netflix e rodada na capital francesa, conforme confirmaram fontes da empresa nesta sexta-feira no festival de Veneza. É “um drama musical ambientado em uma Paris contemporânea e multicultural, que gira em torno de um clube de jazz, seu dono e a caótica cidade que os rodeia”, afirma um comunicado do colosso norte-americano do setor audiovisual. The Eddy terá oito episódios e na série se falará francês, inglês e árabe. A rodagem está prevista para começar no próximo ano, enquanto ainda não se sabe nada sobre a data de lançamento, mas quando estiver pronta será acessível a todos os mais de 100 milhões de usuários da Netflix pelo mundo.

Mais informações

Chazelle dirigirá precisamente dois capítulos, além de produzir e coescrever a série. Junto com ele, o texto terá a assinatura de Jack Thorne (This is England, Extraordinário). Alan Poul (A Sete Palmos, The Newsroom) colaborará com o projeto como produtor executivo. E Glen Ballard, ganhador de seis Grammy, cuidará das canções. “Sempre sonhei em rodar em Paris, então estou duplamente feliz por me juntar a Jack, Glen e Alan, e fascinado por ter encontrado uma casa para esse projeto na Netflix”, diz Chazelle no mesmo documento.

A gigante do streaming conquista uma arma poderosa na luta para demonstrar que, além de distribuir séries e filmes, quer, cada vez mais, criá-los. Até à data, tem cerca de 50 projetos originais, mas tem como objetivo acelerar o ritmo. Depois de anunciar que se produzirá e lançará o novo filme de Martin Scorsese, a Netflix contrata agora o cineasta que fez sonhar público e crítica com La La Land, cuja carreira começou exatamente na Mostra de Veneza, que abriu no ano passado. Antes, o mais novo criador da história a ganhar um Oscar de melhor diretor já havia surpreendido com Whiplash: Em Busca da Perfeição. Para Erik Barmack, vice-presidente de Conteúdos Originais Internacionais, a aposta é um pilar da estratégia da empresa para colocar a Europa no centro e globalizar seus conteúdos, como disse em um encontro com um grupo de jornalistas.

Ao mesmo tempo, Chazelle garante uma nova imersão em sua principal paixão junto com o cinema: dois de seus três filmes são musicais, e em Whiplash, o ritmo e o tempo eram protagonistas como os atores. O cineasta muda de formato, mas continua por um caminho que até agora só lhe rendeu aplausos. Outra vez Chazelle, novamente o jazz. A Netflix cruza os dedos para que nada desafine.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: