Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

IBM bate recorde de armazenamento com um cartucho no qual cabem 330 milhões de livros

Trata-se de uma nova tecnologia de fita magnética, a mesma usada pelos cassetes

Cartucho da IBM de fita magnética por pulverização catódica.
Cartucho da IBM de fita magnética por pulverização catódica.

Os cientistas da IBM desenvolveram um cartucho de fita magnética que cabe na palma da mão e pode armazenar 330 terabytes de dados sem comprimir ou o equivalente a 330 milhões de livros. O dispositivo consegue uma densidade recorde de 201 gigabit por polegada quadrada, que é mais de 20 vezes a densidade convencional das fitas magnéticas comerciais, graças à tecnologia de pulverização catódica.

As fitas magnéticas foram inventadas há mais de 60 anos e, depois de serem protagonistas da era do cassete e do vídeo Beta e VHS, continuaram no mercado para grandes centros de armazenamento como os que são utilizadas tradicionalmente para o arquivo de documentos fiscais e expedientes médicos, pelo baixo custo. A primeira unidade de fita da IBM utilizava carretéis de meia polegada de largura que só podia conter cerca de 2 megabytes, segundo publica o site de tecnologia The Verge.

Em colaboração com a Sony

Esta nova fita foi fabricada em colaboração com a Sony Storage Media Solutions e, segundo os responsáveis pela sua criação, vai permitir manter a viabilidade destas soluções de armazenamento durante a próxima década.

“A fita é utilizada tradicionalmente para os arquivos de vídeo, cópias de segurança, réplicas para a recuperação e conservação da informação nas instalações de desastres, mas a indústria também está se expandindo para os aplicativos na nuvem”, afirmou Evangelos Eleftheriou da IBM, em um comunicado.

“Apesar de que se espera que a fabricação da fita obtida por pulverização catódica tenha um custo de fabricação um pouco maior do que a fita comercial atual, o potencial de capacidade muito alta fará com que o custo por terabyte seja muito atrativo, tornando esta tecnologia prática para o armazenamento frio na nuvem.”

MAIS INFORMAÇÕES