Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

O adeus definitivo ao VHS

Única empresa que continuava fabricando vídeo cassetes, manterá a atividade apenas até o final de julho

A Funai Electronics fabricava reprodutores e gravadores de fitas de vídeo desde 1983 Ampliar foto
A Funai Electronics fabricava reprodutores e gravadores de fitas de vídeo desde 1983

As fitas cassete, símbolo de toda uma geração, se despedem, agora, de forma definitiva. O sistema de gravação e reprodução de vídeo, extremamente popular desde o seu nascimento, em 1976, até ser substituído pelos DVDs na virada do século, finalmente deixará de existir. A empresa japonesa Funai Electric, a única no mundo que continuava a fabricar leitores e gravadores de VHS anunciou que deixará a atividade no final do mês de julho, de acordo com uma publicação de sábado do jornal japonês Nikkei.

A Funai cancelará a produção de vídeo cassetes, e também a comercialização do produto que vendia, desde 1983, não só com sua própria marca, mas também a outras empresas como Sharp, Sanyo, Toshiba e Denon. Devido ao surgimento do disco ótico e de outros sistemas digitais mais modernos e avançados, as empresas tecnológicas mais fortes do mercado, como a Panasonic, já tinham deixado de fabricar reprodutores de VHS há anos.

A empresa japonesa explicou que decidiu encerrar as atividades ligadas às antigas fitas de vídeo devido à falta de componentes necessários para a sua fabricação e à reduzida demanda – apesar de não ser inexistente."A companhia que nos fornecia as peças disse que era muito complicado continuar a fabricá-las com os atuais níveis de venda, então deixaram a atividade, e isso nos levou à nossa decisão", afirmou um porta-voz da Funai.

Durante as décadas de 1980 e 1990, a Funai vendia 15 milhões de vídeo cassetes por ano

Durante as décadas de 1980 e 1990, época de maior popularidade do VHS (Video Home System), a empresa chegava a comercializar cerca de 15 milhões de aparelhos ao ano. Em 2015, no entanto, venderam apenas 750.000 unidades. Ainda existia uma pequena demanda no Japão, relacionada ao âmbito profissional e a colecionadores. Além disso, o porta-voz da Funai afirmou que a companhia recebeu um grande número de ligações de cidadãos japoneses que possuem fitas cassete e que estavam desesperados porque ainda não tinham convertido o material gravado a outros formatos e não queriam perder os registros de seus casamentos e outros momentos especiais.

Em novembro de 2015, a Sony já havia encerrado de vez as atividades das fitas Betamax, uma das principais do ramo de vídeos analógicos. Apesar de já não fabricar reprodutores desde 2002, a empresa ainda produzia alguns vídeos para o público mais nostálgico. Durante quase duas décadas, o VHS e as Betamax mantiveram uma batalha comercial que culminou com a consolidação do Video Home System como principal formato de vídeo de uso doméstico.

MAIS INFORMAÇÕES