Editoriais
São da responsabilidade do editor e transmitem a visão do diário sobre assuntos atuais – tanto nacionais como internacionais

Villar, ponto final

A detenção do presidente eterno do futebol põe fim a trinta anos de arbitrariedade e corrupção

Guarda conduz Ángel María Villar preso
Guarda conduz Ángel María Villar presoASSOCIATED PRESS
Mais informações

A detenção do presidente da Federação Espanhola de Futebol (RFEF), Ángel María Villar, e de seu vice-presidente financeiro, Juan Padrón, deve ser o primeiro passo para uma reforma e a regeneração completa das instituições do futebol. Villar, 29 anos à frente da federação, terá que responder por graves acusações de corrupção entre particulares – supostamente para favorecer os interesses financeiros de seu filho Gorka Villar e o escritório Sports and Advisers, entre outras finalidades –, administração desleal, apropriação indébita e possível ocultação de bens. Quase 30 anos de poder absoluto são um convite à corrupção generalizada.

Villar teceu uma rede em que os votos das federações eram supostamente comprados com dinheiro das arcas federativas (nutridas, em parte, com dinheiro público) e favores cruzados. A federação da última década não justificou as contas, não explicou as subvenções e manteve na sombra os pagamentos. Villar foi um colaborador estreito dos altos funcionários da FIFA detidos por um escândalo de comissões que acabou com a carreira de Blatter e era homem de confiança de Platini, o presidente da UEFA, sob suspeita de cobrança de pagamentos fraudulentos. Com sua convicção de ter poder absoluto, enfrentou sem cerimônia as autoridades esportivas.

Para Villar, o presidente eterno, este é o final. Que devia ter ocorrido antes. Isso teria poupado ao futebol espanhol, brilhante em sua vertente competitiva, a vergonha de ver seu principal responsável detido pela Guarda Civil. É o momento de tirar as lições pertinentes que a longa noite de Villar oferece. A primeira é que deve ser limitado por lei o número de mandatos presidenciais. E que o exercício de poder na federação seja submetido a um escrutínio rigoroso ano após ano. Algo que até agora não foi feito.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: