Federação Espanhola de Futebol

Villar, auge e queda do homem forte do futebol espanhol

Longevidade no poder, casas na praia, contas estranhas e faturas de telefone de seu filho fazem parte de investigação que estava em curso há um ano e meio

O presidente da Federação Espanhola de Futebol, Ángel María Villar.
O presidente da Federação Espanhola de Futebol, Ángel María Villar.

Há aproximadamente um ano, Ángel María Villar realizava exercícios físicos em seu domicílio da serra de Madri. Simulava, cansado, as sombras de um boxeador. Seus punhos atingiam o ar sem muita força, mas sim com constância. Era a imagem de um homem disposto a manter-se em pé apesar das suspeitas que rodeavam seu período de mais de 28 anos à frente da Real Federação Espanhola de Futebol (RFEF). Os supostos tratos de favor ao Recreativo e o Marinho de Tenerife ou a fraude de subvenções no Caso Haiti pelo que está imputado era só a ponta do iceberg de uma investigação da Promotoria Anticorrupção na que também se estenderam as pesquisas ao dinheiro destinado à construção de campos de futebol, de erva artificial, estranhas contas a prazo fixo em bancos regionais ou segundas casas obtidas com créditos que, segundo fontes próximas à investigação, podiam não ter sido devolvidos. A prisão do presidente do futebol espanhol e vice-presidente de FIFA e UEFA, de seu filho Gorka Villar e do vice-presidente econômico Juan Padrón corresponde a uma investigação de mais de um ano e meio. As denúncias começaram em 2015 e a detenção era esperada há mais de dez meses. O próprio Villar, inclusive, já tinha conhecimento de algumas das investigações que lhe estavam levando a cabo.

Mais informações

No caso de Gorka Villar, segundo essas mesmas fontes, a promotoria tem indagado na relação entre os cursos de direito esportivo ou outras atividades organizadas pela FEF (Federação Espanhola de Futebol), incluídos jogos amistosos para captar clientes para seu despacho. Muitas das federações da CONMEBOL, cujos dirigentes estão processados pelo FIFAgate, foram ou são clientes do ramo de Villar. Se for o caso, segundo fontes da investigação, também apareceram elevadas faturas de celulares a cargo da Federação. Juan Padrón, segundo outras fontes próximas ao caso, estava na mira da Promotoria fazia muito tempo e seu caso era dos que menos dúvidas oferecia para decretar sua prisão. Desde que Villar despediu o administrador geral José María Castillón, todo o processo se acelerou. Castillón foi demitido após Jorge Pérez, ex-secretário geral, e com isso o máximo dirigente do futebol espanhol acabava com o périplo federativo de dois de seus homens de confiança dos que pensava terem lhe traído. Ambos estão imputados no Caso Haiti.

A operação supõe um golpe a uma forma de dirigir o futebol espanhol durante quase 30 anos. Nesse período, a Espanha conquistou duas Eurocopas e uma Copa do Mundo, e as categorias inferiores da seleção também conquistaram títulos internacionalmente. Mas, junto a essa brilhante trajetória esportiva, a mais gloriosa do futebol espanhol, sempre correu paralelamente um gerenciamento presidencialista com zonas sombrias e baseado em um sistema apoiado na grande maioria dos presidentes das federações regionais, tão longevos como Villar em seus respectivos cargos. Villar dirige a Federação na distância ajustado à agenda de seus cargos na UEFA e FIFA que agora o colocam em perigo. Villar foi o dirigente esportivo espanhol que mais poder acumulou depois do ex-presidente do COI, Juan Antonio Samaranch, mas desde a explosão do FIFAgate, no qual saiu ileso, Villar perdeu muito peso no futebol internacional. Na UEFA, teve seu primeiro revés no ano passado, ao ter que retirar a candidatura por falta de apoios, pois não chegava a uma dezena, segundo fontes do organismo europeu. Não é homem do gosto do novo presidente, o esloveno Aleksander Ceferin, e também não parece o ser do dirigente da FIFA, Gianni Infantino, que em alguma ocasião chegou a lhe negar o cumprimento. Pertence à estirpe de dirigentes (João Havelange, Joseph Blatter, Julio Grondona) que manipularam o futebol mundial durante mais de três décadas, até que a eclosão do FIFAgate diminuiu consideravelmente sua imagem no estrangeiro.

Minimizada sua ascendência internacional, Villar refugiou-se ultimamente no futebol espanhol e seus contatos pelas altas esferas do poder. Recentemente foi reeleito como presidente dela FEF, apoiado no sistema que lhe perpetuou no cargo, e se encontrou com a eterna defesa de Alejandro Branco, presidente do Comitê Olímpico Espanhol. Também manipulou suas influências para reduzir a tensão com o Governo baixo a presidência do CSD de José Ramón Lete, o suplente que elegeu o ministro Íñigo Méndez de Vigo para substituir a Miguel Cardeal, açoite de Villar na legislatura anterior e impulsor de algumas das denúncias que já estão nas mãos da justiça.

Villar deveria presidir na próxima quarta-feira o sorteio do calendário da próxima temporada e, em reuniões com os órgãos responsáveis, também eleger uma nova junta diretiva. Porém, em comunicado oficial, a Federação Espanhola informou que o sorteio e as reuniões foram adiados, e suas datas ainda serão remarcadas.