Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

EUA enviam navio de guerra a ilha ao sul da China para aumentar pressão sobre Pequim

Ação de Trump é vista como advertência para que Xi Jinping freie a escalada nuclear da Coreia do Norte

Paracel
O destroier ‘USS Stethem’ chega ao porto de Xangai, em 2015. AFP

Os dias da “grande amizade” começam a se evaporar. Depois do curto idílio entre os presidentes dos EUA e da China desde sua reunião na residência de Mar-a-Lago, no começo de abril, a Casa Branca voltou a exercer uma pressão direta e escancarada para que Pequim freie a escalada nuclear da Coreia do Norte. Primeiro foi uma advertência de Donald Trump no Twitter, depois a sanção a um banco chinês por suas operações com o regime de Pyongyang, então a venda de armas a Taiwan e, neste domingo, o envio de um navio de guerra à minúscula ilha Triton, parte do vespeiro territorial que é o arquipélago de Paracel, no mar do sul da China.

O local, que foi tomado por Pequim em 1974 e alberga um pequeno heliporto, serve como posto avançado do território chinês, mas sua soberania é reivindicada também por Vietnã e Taiwan. Trata-se de uma área de enorme tensão, da qual o destroier USS Stethem, armado com mísseis teleguiados Tomahawk, aproximou-se até uma distância de 12 milhas náuticas, exatamente o limite das águas territoriais.

A ameaçadora manobra, a segunda desse tipo desde maio, provocou uma reação imediata. Além de enviar navios e aviões, Pequim fez uma dura declaração. “É uma grave provocação militar e política. As ilhas Xisha [o nome das Paracel em chinês] são parte inerente do território chinês. Os Estados Unidos, que estão açulando os problemas na região, partem em direção contrária a dos países da região que aspiram à estabilidade, à cooperação e ao desenvolvimento”, disse o Governo da China em nota.

Embora a Marinha norte-americana diga que se trata de uma operação prevista há semanas, sem relação com qualquer tipo de pressão diplomática, é difícil não considerar essa movimentação naval como uma advertência. Washington já demonstrou nas últimas semanas que não deixará o regime chinês respirar enquanto este não convencer Pyongyang a frear sua amalucada corrida armamentista – uma ideia que Trump transformou em eixo da sua política com a China e que, sem ter gerado ainda um conflito maior, alimenta uma escalada que já incluiu capítulos dolorosos para Pequim, como a venda a Taiwan de 1,42 bilhão de dólares (4,7 bilhões de reais) em radares, mísseis, torpedos e outros armamentos.

Mantendo essa postura agressiva, a manobra do destroier ocorreu horas antes de Trump conversar por telefone com seu colega chinês, Xi Jinping, e a poucos dias de um encontro deles na cúpula do G-20 em Hamburgo. O sinal é claro. Os bons tempos com a China estão chegando ao final.

Xi aproveitou o telefonema para fazer uma advertência velada a Trump pela venda de armas a Taiwan. Embora considere que a relação entre Washington e Pequim “rendeu resultados frutíferos” desde o primeiro encontro bilateral em Mar-a-Lago, a residência de férias de Trump na Flórida, o presidente chinês também alertou que esses intercâmbios “foram afetados por alguns fatores negativos”, segundo relato da emissora estatal chinesa CCTV. No comunicado emitido pela Casa Branca sobre o telefonema não há referência a qualquer discussão dos dois mandatários sobre Taiwan.

Xi se referiu à polêmica venda de armamentos à ilha, embora sem mencioná-la especificamente, ao insistir a Trump para que se comprometa com o princípio de “uma só China”, ou seja, o reconhecimento do Governo comunista de Pequim como o único representante da China, sem dar o mesmo status a Taiwan – vista pela China continental como uma “ilha rebelde” a ser reintegrada. O presidente norte-americano, sempre segundo a CCTV, respondeu a Xi que seu Governo não mudou de posição a esse respeito. “Louvamos o fato de o presidente Trump ter reiterado sua adesão à política de uma só China, e esperamos que os Estados Unidos possam manter seu compromisso (...) e manejem de forma cautelosa e apropriada os assuntos relativos a Taiwan”, disse-lhe Xi.

Os líderes das duas maiores economias do mundo se encontrarão no final desta semana na cúpula de líderes do G20 em Hamburgo, onde muito provavelmente manterão um encontro bilateral.

MAIS INFORMAÇÕES