Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

“Os gorilas, assim como nós, precisam se divertir”

Dança aquática desse primata em um zoológico é uma demonstração de felicidade, segundo especialista

O gorila do vídeo que abre essa reportagem é Zola, um primata de 14 anos de idade que chamou a atenção na internet com sua coreografia na água. A dança do vídeo aconteceu no Zoológico de Dallas (Texas, Estados Unidos). A cena foi compartilhada nas redes sóciais do zoológico e no YouTube, onde acumula quase um milhão de reproduções em quatro dias desde 20 de junho. Sua dança fica ainda mais divertida quando se acrescenta uma música. Essa versão com Maniac soma mais de 50.000 retuítes.

Coloquei música nisso

A cena surpreendeu muitas pessoas, mas não é um comportamento estranho para um gorila, como explica ao EL PAÍS por telefone Miquel Llorente, presidente da Associação Primatológica Espanhola: “Os gorilas, assim como nós, precisam se divertir. É algo natural”. Llorente define a vontade de brincar de Zola como uma “necessidade biológica”. “Comportar-se assim é algo que o corpo pede. Aos 14 anos, esse gorila é um adolescente, mas quando são adultos também brincam”, afirma.

O zoológico de Dallas confirma a afirmação de Llorente em seu site. O comportamento de Zola, afirma, não faz parte de nenhum tipo de adestramento. E mais, em 2011 o animal protagonizou outro vídeo viral em que também aparecia dançando. À época, vivia no zoológico de Calgary, em Bridgeland (Alberta, Canadá).  

Zola é um gorila-ocidental-das-terras-baixas. ”Esses gorilas vivem em Guiné Equatorial, Camarões, Gabão e República do Congo. Nesses países, de forma natural, também mostram esse tipo de comportamento”, acrescenta o especialista em primatas.

Na República do Congo são encontrados em zonas pantanosas de Mbeli Bai, um dos enclaves onde mais se pode ver gorilas na água, segundo Llorente. “Os gorilas não sabem nadar, mas adoram a água. Em Mbeli Bai, a água fica na altura da cintura. Se molham e caminham, brincam e se alimentam”, acrescenta. Neste vídeo se vê os gorilas dessa espécie nesse enclave natural.

Além disso, no YouTube há outros vídeos de gorilas em cativeiro se comportando de forma parecida. “É difícil saber em que medida influencia o aprendizado nesse tipo de condutas, mas está claro que um comportamento como esse tem uma origem biológica”, afirma Llorente.

"Os primatas são muito expressivos"

Esse vídeo é muito diferente de outros, como aquele que consiste em um chimpanzé que joga excrementos nos visitantes em um zoológico. Ainda que muitos tenham considerado a cena cômica, a realidade é que o animal se comportava assim porque se sentia ameaçado.

"Esse caso é radicalmente diferente", diz Llorente, a quem também consultamos para explicar o vídeo do chimpanzé. “Basta olhar a cara que o chimpanzé tinha e a que este gorila tem. Os grandes primatas são muito expressivos. Compartilhamos um antepassado comum, de forma que a musculatura do rosto é muito parecida. É tão fácil saber como um gorila se sente como com uma pessoa. Os primatas são muito expressivos”, afirma.

MAIS INFORMAÇÕES