Organização de Direitos Humanos acusa a Fifa de permitir exploração trabalhista na Rússia

Relatório elaborado pelo Observatório Mundial dos Direitos Humanos denuncia a situação dos trabalhadores da Copa Confederações 2017 e da Copa do Mundo de 2018

Estado das obras no estádio de São Petersburgo.
Estado das obras no estádio de São Petersburgo.DMITRY LOVETSKY (AP)

Human Rights Watch, o observatório mundial que zela pela defesa dos direitos humanos, denunciou a Fifa através de um relatório por “não ter cumprido plenamente” com seu compromisso de desenvolver uma força-tarefa de supervisão das condições trabalhistas dos operários que atuam na construção dos diferentes estádios que abrigarão a próxima edição da Copa Confederações 2017 e a Copa do Mundo de 2018 na Rússia. “A promessa da Fifa de fazer dos direitos humanos uma peça central de suas operações globais posta à prova na Rússia mostrou-se insuficiente”, assegura Jane Buchanan, diretora do HRW na Europa e Ásia Central, em documento titulado “Cartão Vermelho: Exploração de Trabalhadores da Construção nas sedes da Copa do Mundo na Rússia”, composto por 34 páginas e que foi revelado na manhã desta quarta-feira.

O relatório foi redigido a partir das respostas obtidas através de 42 entrevistas a trabalhadores russos e estrangeiros locados nas obras dos estádios de Moscou, São Petersburgo, Kaliningrado, Rostov, Sochi e Ecaterinburgo para os dois próximos eventos esportivos. Entre o núcleo de trabalhadores encontram-se emigrantes de países da Ásia Central, Bielorrússia e Ucrânia.

Mais informações

Segundo o relatório, 17 trabalhadores morreram durante a construção dos estádios da Copa do Mundo de 2018, que acontecerá daqui a um ano, com base em informação concedida pelo Sindicato Internacional de Trabalhadores da Construção e Madeira. Uma cifra que supera os 11 mortos durante as obras dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, o último megaevento esportivo de caráter internacional. “A aparente vigilância e detenção de um pesquisador da HRW e a pressão sobre os trabalhadores para que não reportem os abusos dos quais padecem sugerem que os responsáveis pelas condições de trabalho têm algo a esconder”, assinala Buchanan. “Os torcedores, jogadores, treinadores e demais cidadãos têm direito a saber quem está construindo os estádios da Copa do Mundo e sob quais condições. "A transparência é chave para qualquer proteção séria aos direitos humanos”, acrescenta.

Em maio de 2016, a Fifa anunciou que estabeleceria um sistema de vigilância em parceria com as autoridades russas para supervisionar as condições dos trabalhadores na Rússia e reiterou o compromisso em uma carta enviada ao HRW. No entanto, a entidade não dava resposta às situações denunciadas pelo observatório, que advertia, entre outras coisas, a falta de contratos registrados em muitos casos, dos atrasos no pagamento dos salários e na falta de proteções suficientes para a execução de alguns trabalhos em condições climáticas extremas, realizados em ambientes a -25 ºC.

O relatório também denuncia a prisão do observador enviado pela HRW a Rússia para a elaboração do documento, que ficou detido em Volgogrado por mais de três horas, em abril. “A Fifa e o governo russo deram um passo notável na organização da supervisão dos trabalhos dos estádios, mas, para ser críveis, deveriam publicar a informação detalhada sobre o que encontraram os inspetores e a situação real dos trabalhadores”, conclui Buchanan.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: