_
_
_
_
Editoriais
São da responsabilidade do editor e transmitem a visão do diário sobre assuntos atuais – tanto nacionais como internacionais

Eleições abertas

Os solavancos da primeira-ministra May podem custar caro nas urnas

Theresa May durante um comício do Partido Conservador
Theresa May durante um comício do Partido ConservadorWPA Pool (Getty Images)
Mais informações
Subida inesperada de trabalhistas na corrida eleitoral preocupa conservadores no Reino Unido
Reunião do G7 começa marcada por fortes atritos entre Trump e outros líderes
Theresa May quer que empresas paguem mais por estrangeiros contratados
Theresa May acusa UE de querer influenciar eleições britânicas

Infelizmente o terrorismo jihadista dominou as últimas semanas da campanha eleitoral no Reino Unido. Amanhã o país elege uma nova Câmara dos Comuns de onde saíra o próximo Governo. Apesar das contínuas afirmações de todos os partidos e candidatos de que o terrorismo não pode alterar o cotidiano dos britânicos, a verdade é que, depois dos atentados de Manchester e Londres, tudo o que aconteceu durante os últimos dias estará muito presente durante a votação. E a esta atmosfera estranha junta-se a incerteza do resultado.

Trata-se de um cenário muito diferente do mês de abril, quando, com uma diferença nas pesquisas de mais de 20 pontos sobre os Trabalhistas, a conservadora Theresa May – que chegou 10 Downing Street após a renúncia de David Cameron e nunca ganhou uma eleição – decidiu antecipar as eleições, confiante em uma cômoda vitória. Mas, como aconteceu com seu antecessor, o excesso de confiança pode terminar em um desgosto. As pesquisas mostram uma forte tendência de queda nas expectativas do voto conservador. Tanto é assim, que as mais favoráveis a May, apesar de preverem sua vitória, não garantem que poderá formar Governo. Pelo contrário, a esquerda do Trabalhismo – com um ponto de populismo em seu discurso – encarnado por Jeremy Corbyn ganhou cada vez mais adeptos de forma constante.

Grande parte de seu colapso é atribuível às inconsistências da própria May, cuja carreira política passou de defender a permanência do Reino Unido na UE a liderar a estratégia mais dura contra Bruxelas nas negociações do Brexit; de prometer que não haveria eleições até 2020 porque “o país precisa de estabilidade” a convocá-las de surpresa; de garantir que o sistema de saúde estava garantido a anunciar que os aposentados deveriam pagar por serviços de saúde e se desdizer parcialmente ao ver o colapso nas pesquisas. May decidiu reduzir o alerta de terror poucos dias antes dos atentados, mas em vez de assumir alguma autocrítica após sete anos como Ministra do Interior agora joga a culpa na “tolerância ao extremismo”.

Tudo indica que, como aconteceu com Cameron, May tomou decisões e convocou os britânicos às urnas para corrigir seus problemas de autoridade dentro do partido, onde alguns a criticam dizendo que ainda é a Ministra do Interior. Quem assumiu o cargo aparentando solidez demorou menos de um ano para mostrar suas incoerências.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_