Festival de Cannes

Roman Polanski: “Existe uma ânsia pela verdade que não nos chega pela imprensa”

Cineasta franco-polonês lança, fora da competição, 'D'Après una histoire vraie', um 'thriller' sobre uma fã que fagocita uma escritora de sucesso

A atriz Emmanuelle Seigner beija a seu marido, Roman Polanski, antes da coletiva de imprensa de 'D'Après une histoire vraie'.
A atriz Emmanuelle Seigner beija a seu marido, Roman Polanski, antes da coletiva de imprensa de 'D'Après une histoire vraie'.ALBERTO PIZZOLI / AFP

Mais informações

Roman Polanski era o último nome que faltava a lançar um filme nessa edição de Cannes. Aos seus 83 anos não perdeu seu humor característico e a capacidade na tela de manter em tensão o espectador, que espera a irrupção da trama a qualquer momento. Boa parte desse talento estrutura a adaptação de D’Après una histoire vraie (Baseado em fatos reais), um romance de Delphine de Vigan, que usa a si mesma em uma história que lembra Louca Obsessão: uma fã (na tela, Eva Green com seu olhar turvo) entra em contato com Delphine (Emmanuelle Seigner no cinema) e pouco a pouco fagocita a vida da escritora, em um claro exercício de autoficção, gênero tão em moda. Seigner, atriz e esposa de Polanski, leu o livro (Editora Intrínseca) e pensou que existia ali um excelente material para o cineasta, que enquanto continua tentando realizar seu drama sobre o caso Dreyfus decidiu dirigir esse thriller.

Em Cannes, na apresentação desse thriller fora da competição Polanski estava acompanhado por Seigner, Green (que normalmente não trabalha em seu francês materno), o compositor Alexandre Desplat, o co-roteirista Olivier Assayas, o produtor Wassim Béji e a romancista Delphine de Vigan. Um elenco de luxo para alguém da importância de Polanski que diante da imprensa se mostrou brilhante em inglês e francês, e capaz de desconcertar até mesmo sua mulher. Para começar, reconheceu que faltava em seu currículo um thriller como esse, com tensão entre duas mulheres: “Senti que no romance ressoavam ecos de meus primeiros trabalhos, e que, portanto, estava no lugar adequado”. Frisou que Assayas e ele não se afastaram do livro: “Eu adaptei antes obras de teatro e livros, e sempre procurei não ir longe do material original. Quando criança, me sentia decepcionado ao ver adaptações ao cinema com novos personagens e linhas argumentativas”.

“Existe uma ânsia pela verdade que não corresponde ao que a imprensa nos traz: o que era certo ontem, é completamente falso hoje”

No thriller, Elle (nome do personagem de Green) escreve para outros, é uma ghost-writer, uma profissão que Polanski já ilustrou em O Escritor Fantasma. “Conheço bons escritores nessa área, e é um trabalho interessante. Um cineasta é um ghost-writer da vida dos outros? Não havia pensado nisso antes, mas fico com essa ideia para outras entrevistas”, respondeu sobre o paralelismo entre diretores de cinema e esses redatores. Sobre sua relação profissional com sua esposa, após Seigner dizer que não é sua musa, mas que ele a inspira, Polanski afirmou: “Temos uma relação muito profissional. O complicado é voltar para casa após um dia duro de trabalho. Porque eu gosto de deixar as coisas para trás e ela não para de me perguntar sobre seu trabalho [Seigner faz um gesto de surpresa]. Ela é uma profissional como os outros”.

Há pouco tempo foi reeditada na a autobiografia que Polanski escreveu em 1985. Nesse livro existe material para um grande filme..., mas não será ele a filmá-lo. “Quando trabalho em um roteiro não penso em minha própria vida como elemento do cinema”, cortou rápido. E desenvolveu mais sua visão do futuro do cinema em razão da polêmica Netflix-Festival de Cannes. “A questão das plataformas e dos festivais está além do que posso analisar. Mas sei que não são uma ameaça ao cinema: as pessoas não vão ao cinema porque o som e a projeção são melhores do que em suas casas, mas porque é uma experiência sentar-se com outras pessoas e assistir um filme, aproveitar um espetáculo em comum. Lembro que quando surgiram os walkmans, o medo que existia na música, e os shows não acabaram por isso. Não é a mesma coisa ver Borat sozinho em casa e cercado por um monte de gente dando risada”.

“As pessoas não vão ao cinema porque a projeção é melhor do que em suas casas, mas para aproveitar um espetáculo em comum”

Polanski ainda teve tempo para confirmar que em sua vida conheceu pessoas como Elle em festas e fugiu delas, e refletiu sobre a tecnologia: “Não tenho Facebook, e me mantenho longe dele. Antes tinha muitos aparelhos tecnológicos, e os troquei por isso [mostra seu celular], que a cada dia é mais completo”. E explicou que o atual bombardeio tecnológico interfere com a verdade nos tempos atuais. “Não se pode confiar na fotografia como documento da realidade porque pode ser falsificada em minutos. Existe uma ânsia pela verdade que não corresponde ao que a imprensa nos traz: o que era certo ontem, é completamente falso hoje”. E em um galanteio muito Polanski, o cineasta desconcertou um jornalista italiano que lhe perguntou se era mais fácil dirigir uma mulher ou viver com ela: “Não sei como alguém tão inteligente pode fazer uma pergunta tão estúpida. É evidente que é mais fácil trabalhar do que viver com elas!”. E o geniozinho foi embora.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete