Champions League
Opinião
Texto em que o autor defende ideias e chega a conclusões basadas na sua interpretação dos fatos e dados ao seu dispor

Vá embora, Simeone, vá

A ingratidão com o treinador que nos deu tudo e o absurdo exílio no La Peineta afastam o xamã da tribo

Simeone, na partida contra o Eibar no Calderón.
Simeone, na partida contra o Eibar no Calderón.Gonzalo Arroyo Moreno (Getty Images)

É surpreendente, quando não revoltante, o espírito justiceiro adotado por uns quantos torcedores e gurus do Atlético de Madrid depois do sabá do Bernabéu. Chegaram a pedir a cabeça de Simeone. E devem ter sido estimulados pelo critério de “servir de exemplo” de alguns quantos especialistas clarividentes da crônica esportiva.

Mais informações

Acho oportunista sacrificar Simeone na fogueira do 3 x 0, recriminar seu posicionamento tático, atribuir-lhe a estratégia errática, fazer um inventário dos defeitos da temporada. Inclusive ousar com a ideia de que o ciclo do xamã argentino teria acabado.

Pode ser que tenha. Mas não por esgotamento nem por frustração dele próprio. Mas sim porque ele pode ter se decepcionado com a ingratidão. E porque tem o direito de procurar outro mar depois de nos haver proporcionado o lugar que havíamos perdido no futebol.

Simeone nos devolveu a confiança, o sorriso das segundas-feiras, a reputação na competição internacional, a rotina das viagens ao exterior. Deu-nos um título espanhol. E uma Liga Europa. E duas finais da Champions. E uma Copa ganha contra o Real Madrid no Bernabéu.

O balanço deveria envergonhar quem exige medidas cirúrgicas. Mas deveria envergonhar ainda mais o fato de ignorarem seu mérito de trabalhar com recursos muito mais precários que nossos rivais. Achamos natural, garantido, o hábito de nos instalar na elite futebolística, inclusive quando o futebol virou território de opulência falocrática entre magnatas, sátrapas e oligarcas russos.

E é uma anomalia a presença cotidiana do Atleti na vanguarda dos clubes continentais. Uma extraordinária anomalia – com perdão da redundância – que demonstra o trabalho que Simeone realizou fora do futebol para fortalecer o próprio futebol. Pode ser a psicologia, a tensão. A magia, a superstição. E a fé, e todas as abstrações que o bruxo argentino acrescentou ao caldeirão druida do Calderón até encontrar a fórmula mágica que nos fez ressuscitar, tratar o Real de igual para igual, assustar o Barça.

Simeone pode se permitir ir embora. Ele nos fez ser muito maiores do que realmente éramos. Por isso a questão consiste em averiguar se o Atlético pode permitir a saída de Simeone sem temer que desmoronem a basílica e a religião.

Vai embora, Simeone, vai. O momento é adequado. E não porque sejamos capazes de nos sobrepor ao vazio deixado pelo totem na fogueira da tribo indígena, mas, sim, porque este Atlético de Madrid que o empresariado chinês profanou e que seus dirigentes expropriaram está a caminho de se desnaturalizar e de se corromper no subúrbio de La Peineta.

A torcida fica privada do seu templo. Destrói-se o primeiro vínculo de identificação, a casa. E somos submetidos à demolição do Calderón como se a cena traumática de um bombardeio contra a própria meta pudesse ser mascarada com a promessa de uma espaçonave. Dá vontade de a gente se imolar entre os escombros. E de transformar a partida desta quarta-feira numa alegoria de Massada.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: