Eleições na França

O fracasso histórico do socialismo francês

Benoît Hamon obtém o pior resultado da esquerda francesa desde 1969

O candidato socialista Benoît Hamon faz um discurso em Paris após reconhecer sua derrota.
O candidato socialista Benoît Hamon faz um discurso em Paris após reconhecer sua derrota.JULIEN DE ROSA / EFE

Era um fracasso anunciado, mas nem por isso foi menos cruel. O socialismo francês registrou, neste domingo, seu pior resultado desde 1969, ao obter 6% dos votos do primeiro turno, segundo as primeiras estimativas. Foi a consequência natural de uma campanha árdua para o candidato socialista, Benoît Hamon, prejudicado pela falta de apoio de sua família política e por uma série de erros táticos que fizeram sua máquina eleitoral nunca arrancar. O Partido Socialista e seus aliados foram eliminados do segundo turno, como ocorreu em 2002.

Mais informações

Ninguém tinha notado esse deputado e ex-ministro de 49 anos, ganhador de surpresa das primárias socialistas de janeiro, quando venceu o ex-primeiro-ministro Manuel Valls, de quem tinha sido ministro da Educação durante quatro meses. Suas desavenças em relação à política econômica do presidente Hollande forçaram sua saída do Governo em 2014. Desde aquele momento, Hamon se tornou um dos líderes das fileiras de deputados revoltados com a linha oficial, que tanto amargaram a vida de Valls e seus simpatizantes na reta final de seu mandato. Quando Hamon precisou da ajuda deles, agiram em vingança. Após prometer o contrário nas primárias, Valls negou a ele seu apoio, anunciando que votaria em Emmanuel Macron. Uma a uma, as estrelas do partido lhe deram as costas ou, no melhor dos casos, manifestaram um apoio mínimo. O próprio Hollande não declarou em quem votaria, apesar de sua preferência por Hamon “não ser um mistério para ninguém”, segundo o Le Monde.

Tampouco houve unanimidade em relação a seu programa de governo dentro das fileiras da esquerda. Sua promessa mais celebrada – a criação de uma renda universal básica – foi incompreendida, contestada e depois modificada várias vezes pelo próprio Hamon, até o ponto de se tornar ininteligível. O impulso obtido após a retirada a seu favor do candidato verde Yannick Jadot não durou muito. Tampouco lhe serviu o apoio de intelectuais de primeiro nível, como o economista Thomas Piketty e a filósofa Sandra Laugier. Quando os debates televisivos começaram, em março, Hamon não brilhou, e ficou evidente que seu espaço político se reduzia, encaixado entre o voto útil dirigido a Macron e os cantos de sereia de Jean-Luc Mélenchon a seu eleitorado.

O próximo desafio para o Partido Socialista será a reconstrução, na qual Hamon aspira ter um papel protagonista. “Voltei a colocar a esquerda sobre seu eixo histórico. Lutarei no domingo e seguirei lutando depois”, advertiu o candidato derrotado em um de seus últimos comícios. Seu resultado ruim neste primeiro turno dificulta consideravelmente para ele a tarefa.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50