Editoriais
i

Mubarak, em liberdade

O Egito deixou passar a oportunidade de se tornar a grande democracia árabe

Mubarak acena, em 25 de abril passado, de seu quarto no hospital militar do Cairo.
Mubarak acena, em 25 de abril passado, de seu quarto no hospital militar do Cairo.Amr Nabil (AP)

Mais informações

A soltura do ex-ditador egípcio Hosni Mubarak é o epílogo oficioso da revolução egípcia que, logo após a chamada Primavera Árabe, em 2011, conseguiu afastar do poder o então mandatário que estava há quase 30 anos no cargo.

A reivindicação popular de democracia e liberdade no país mais povoado do mundo árabe, que manteve o mundo em suspense, terminou seis anos depois com outra ditadura e com o ditador anterior fora da prisão, absolvido completamente da acusação de ser o responsável em última instância pela morte de mais de 800 pessoas durante os protestos de janeiro de 2011 que precederam sua queda, nos quais as manifestações foram reprimidas com grande violência por parte da polícia e do Exército.

Além disso, durante o processo, Mubarak desfrutou de todo tipo de privilégios, começando pelo fato de que não esteve confinado em prisão mas em um hospital militar. Inclusive lhe foi permitido conceder entrevistas para respaldar o atual presidente, Abdel Fattah Al-Sisi, que, como chefe do Exército, encabeçou em 2013 um golpe de Estado contra o Governo da Irmandade Muçulmana, vencedora das primeiras eleições livres realizadas no Egito há várias décadas. Para completar o quadro, a libertação de Mubarak veio precedida da de seus filhos, acusados de corrupção e apropriação indébita de fundos públicos.

Fica então evidente que o Egito desgraçadamente deixou passar a oportunidade, depois de um período de sua história no qual teria podido se tornar a grande democracia do mundo árabe e um ator fundamental para configurar um novo Oriente Médio. A existência de um regime autoritário no qual a repressão é ainda maior do que no de Mubarak e a fratura social na qual o país mergulhou são uma triste lembrança do alto preço que o Egito paga por esta oportunidade perdida.