O dia em que Chuck Berry deu um soco em Keith Richards

A relação entre o mestre, que morreu aos 90 anos, e o pupilo foi cheia de paixão, rock and roll e brigas

Chuck Berry e Keith Richards durante os ensaios do documentário 'Hail! Hail! Rock and roll' (1987).Gettyundefined

Pepe Risi, guitarrista da banda de rock de Madri Burning, me disse em uma entrevista: “Não quero conhecer Chuck Berry. É o homem que me levou a começar a tocar guitarra. Meu ídolo. Mas dizem que tem um caráter muito ruim, que é um idiota. Prefiro tê-lo no meu coração". Risi jogava com uma vantagem: era improvável que o roqueiro espanhol se encontrasse com Berry (que morreu em 18 de março de 2017). Quem o conheceu foi Keith Richards.

Mais informações

A história do guitarrista dos Rolling Stones com seu ídolo foi escrita com fogo em forma de paixão, paciência e violência. Não é preciso ser um estudioso dos pentagramas para comprovar que 70% da forma de tocar de Richards está baseada em canções de Berry. Principalmente no princípio de sua carreira, durante os anos 1960 e 1970, quando os Stones tocavam rock and roll sujo.

Mick Jagger, Keith Richards, Pete Townshend, Eric Clapton, Ray Davis, John Lennon e toda tropa pioneira do rock não teriam sido os mesmos sem a enorme influência de canções de Berry, como Rock and Roll Music, Johnny B. Goode (levanta a mão quem nunca cantarolou), Roll over Beethoven e Mabybellene.

Foram necessários muitos anos até que Richards pudesse trabalhar lado a lado com Berry. Foi em um projeto no qual Keith colocou toda a energia e expectativa do mundo. Em 1987, decidiu realizar um espetáculo documental em homenagem a Berry. O nome foi Hail! Hail! Rock and Roll e , apesar de o diretor ter sido Taylor Hackford, Richards exerceu o papel de produtor e de chefe.

O stone convocou todos os seus amigos disponíveis para assim se ajoelharem ante o melhor, Berry. Roy Orbison, Eric Clapton, Etta James, Linda Ronstadt, Julian Lennon... Todos coordenados por Richards e interpretando canções de Berry, que os acompanhava sobre o palco.

O guitarrista dos Rolling Stones engolia seu ego cada vez que tinha um desses encontros criativos com seu ídolo, Chuck Berry

O grande momento do documentário ocorre durante os preparativos. Keith e Chuck ensaiam Oh Carol, um dos clássicos de Berry que os Stones incluíram em seu repertório desde os anos 1960. Keith toca a guitarra como fez milhões de vezes com total confiança. Mas Berry cutuca seu ombro, o obriga a parar e diz: “Não, não, não é assim. Deixa eu te dizer, eu que compus. Quer fazer direito?”, Richards, aos 44 anos naquela época, não dá crédito. Está imitando à perfeição a forma de tocar, mas seu criador diz que está executando mal. O chiclete que tem na boca é que sofre com sua frustração: mastiga com raiva.

Deus brigando com Deus. O stone nunca havia feito um esforço de contenção tão profundo. As câmeras captam como Richards faz cara de “porque é meu ídolo, senão...”. Olha para o pianista Johnnie Johnson, que também não pode acreditar no que Berry está fazendo. No fim, Keith engole seu orgulho e faz o que Berry manda.

É difícil acreditar que um homem tão acostumado a brigas de bar como Richards tenha se rendido aos desejos de Berry. Assim era a paixão que sentia por seu mestre. O momento mais extremo de sua relação foi contado pelo guitarrista dos Rolling Stones no programa de Jimmy Fallon. O apresentador lhe pergunta: "Escutei uma história que não sei se é verdade. Berry te acertou um soco na cara?". "Sim, ele fez isso", responde o stone.

"Foi depois de um show de Chuck”, explica Richards. E continua: "Entrei em seu camarim e vi sua guitarra, enfiada em uma caixa. E me disse: ‘Venha, Keith, dê só um toque nessa guitarra’. E eu fui. Então Chuck chegou e me disse: ‘Ninguém toca a minha guitarra’. E me deu um soco na cara”. Richards termina a história com ironia: "Foi um dos grandes hits de Berry".

Mestre e pupilo passaram anos assim, com esses encontros pontuais. Se gostavam, e por isso mantinham distância.

Logo após saber de sua morte, Richards publicou em sua conta no Instagram imagens dos dois juntos.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: