Depoimento de Marcelo Odebrecht complica Temer e ministro

Segundo jornal, empreiteiro confirmou repasses milionários via caixa 2 durante a campanha presidencial de 2014

Odebrecht prestou depoimento em Curitiba na ação que tramita no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que pede a cassação da chapa Dilma-Temer por abuso de poder econômico. Seus relatos reforçam a tese de que doações ilegais feitas pela empreiteira ajudaram a reeleger a petista e seu vice. Caso o TSE entenda que houve abuso de poder econômico, Temer pode perder seu mandato e Dilma se tornará inelegível. Ainda não há um prazo para que a Corte julgue a ação.

Mais informações

O empreiteiro também afirmou que as tratativas para os pagamentos teriam sido feitas entre o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, e o executivo Cláudio Melo Filho. O depoimento complica ainda mais a situação de Padilha, que já havia sido citado pelo ex-assessor presidencial José Yunes na semana passada como sendo intermediário nos repasses de propina. Amigo de longa data de Temer, Yunes afirmou que o ministro o usou de “mula” para receber pagamentos irregulares – um pacote de dinheiro foi entregue pelo peemedebista em seu escritório na capital paulista. Padilha está afastado do Governo para realizar uma cirurgia.

O pagamento de caixa 2 para a campanha presidencial já havia sido mencionado por Melo Filho em depoimento que integra seu acordo de delação premiada. Melo Filho mencionou o jantar com Temer no qual o então vice teria pedido uma contribuição de 10 milhões de reais. Em dezembro, após o teor da colaboração do executivo ter sido vazado, o Planalto divulgou nota dizendo que o presidente “repudia com veemência as falsas acusações do senhor Cláudio Melo Filho”. O texto afirmava ainda que as doações feitas pela Odebrecht ao PMDB “foram todas por transferência bancária e declaradas ao TSE. Não houve caixa 2, nem entrega em dinheiro a pedido do presidente”.

Segundo o empreiteiro, parte do dinheiro pago aos emissários de Temer iria irrigar a campanha do também peemedebista Paulo Skaf para o Governo do Estado de São Paulo.

De acordo com Odebrecht, as primeiras conversas com o Governo do PT ocorreram em 2008. Ele mencionou também um encontro com Dilma no México no qual a presidenta teria dito que os repasses feitos pela Odebrecht ao marqueteiro João Santana estariam comprometidos - Isso porque as offshores utilizadas pelo publicitário teriam sido irrigadas com dinheiro de propina. Em nota a assessoria da ex-presidenta negou qualquer irregularidade, e afirmou que "as doações às campanhas de Dilma Rousseff foram feitas de acordo com a legislação".

Sem entrar em detalhes, Marcelo também afirmou que as campanhas presidenciais de Aécio Neves (PSDB) e Marina Silva (Rede) também receberam recursos de caixa 2 da construtora. Outros executivos da Odebrecht que também firmaram acordo de delação premiada irão depor na ação que pede a cassação da chapa Dilma-Temer, entre eles Melo Filho e o ex-diretor Alexandrino de Salles Ramos.