A incrível mutação de Cristiano Ronaldo: 100 gols na Champions League

Maior artilheiro da Liga dos Campeões, CR7 chega ao centésimo tento com hat-trick contra o Bayern de Munique

Cristiano Ronaldo marcou três gols contra o Bayern.
Cristiano Ronaldo marcou três gols contra o Bayern.Matthias Hangst / Getty

Maior artilheiro da história da maior competição europeia, Cristiano Ronaldo chegou aos 100 gols na Champions League com o três marcados diante do Bayern de Munique, que garantiu a classificação do Real Madrid para as semifinais. O português não é daqueles que dissimulam. Seus gestos falam por si. Quando recebe vaias da torcida, bufa, sacode a cabeça de um lado para o outro e solta algum palavrão ocasional. Quando não marca, costuma se alterar e nem sempre se queixa de seus erros, mas das falhas dos companheiros, porque considera que tal bola não chegou aos seus pés como deveria. Nas noites mais infelizes, com o gol tantas vezes cruzado que a bola não entra de jeito nenhum, já o vimos ficar alheio ao jogo. Mas agora, além dos gols decisivos, Cristiano descobriu que, sem caretas ou bufadas por não ser o centro das atenções, pode ajudar a equipe de Zinedine Zidane coletivamente.

Mais informações

Como se tivesse assumido que também pode ser de outra maneira e não necessariamente marcando. Praticamente todas as oportunidades de gol que Benzema teve nos jogos contra o Napoli, pelas oitavas de final, nasceram dos pés de Cristiano, com quem o francês se entende muito bem. A assistência do português no gol de Kroos foi sua quinta na Champions. É o jogador do Real Madrid com maior número de assistências na competição continental e também de gols (7). Mais um sinal do que parece estar sendo uma mutação. Uma mutação que, certamente, não é muito planejada, mas ditada pela passagem do tempo e também pela rivalidade que tem com Lionel Messi. Também se tornou, após o passe para o tento de Kroos, o atleta com mais assistências na história da competição, com 31, contra 30 do galês Ryan Giggs, ex-Manchester United.

Elogios de Zidane

A velocidade do português não é a do jogador que chegou ao clube blanco em 2009. Cristiano agora tem 32 anos e teve de aprender a dosar suas energias. Também para evitar o desgaste dos joelhos e das cartilagens que o incomodou nos últimos anos.

Por isso Zidane incluiu-o nos rodízios, para que ele chegue em perfeitas condições aos três últimos meses da temporada. Consciente de que já não pode mais marcar 50 ou 60 gols por ano – nos oito em que está no Real Madrid, exceto no primeiro, em que ficou sem jogar por várias semanas devido a uma lesão, nunca fez menos do que 50 –, Cristiano percebeu que pode contribuir com outras coisas. Em paralelo à evolução que, por exemplo, teve Messi, que está sendo bastante apreciado apesar da queda em seu desempenho como goleador, ele viu que existem outros aspectos além do gol.

Tudo é questão de assimilar isso porque ele sempre viveu dos gols e do protagonismo que estes conferem. Aos poucos, novamente vai reencontrando o caminho do gol. Foram cinco nos confrontos somados com o Bayern. Normalmente, se Cristiano fica sem marcar, Zidane sempre é perguntado sobre o estado de ânimo do português. Depois da vitória classificação contra o Napoli, foi o técnico francês quem mencionou o nome de CR7. Ele o fez quando foi perguntado sobre Benzema. “Também quero destacar a partida de Cristiano, foi muito boa”.

Vimos o português jogar como centroavante em várias partidas, mas é uma posição em que ele não se sente confortável. Sempre tende a cair para os lados, porque é o seu habitat natural. Na Champions, ele chegou a ter menos gols que assistências. Agora, com o Real nas semifinais, ele já se aproxima de seus números da temporada passada. Mais completo e decisivo como sempre, Cristiano Ronaldo renasce no momento certo para manter a hegemonia merengue na Europa.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete