Campeonato Espanhol

Após recusa da torcida, Zozulya acha quase impossível atuar pelo Rayo

Jogador não quer fechar as portas para jogar em Vallecas até que se defina a situação de sua remuneração

Cartazes de protesto contra Zozulya no estádio de Vallecas.
Cartazes de protesto contra Zozulya no estádio de Vallecas.Jaime Villanueva / EL PAÍS

Roman Zozulya decidiu que não irá atuar pelo Rayo Vallecano. O atleta tomou a decisão depois de observar o comportamento da torcida da equipe madrilenha na partida contra o Almería, em que se ela manifestou quase majoritariamente contra sua chegada a unanimemente contra a sua chegada ao estádio de Vallecas. O anúncio foi feito pelo seu agente, José Lorenzo, após longa reunião em Sevilha, na qual o jogador permaneceu por quase uma hora, antes de voltar para sua casa com a família. “É praticamente impossível que Roman jogue pelo Rayo. Ele se sente ameaçado, e o que vimos no estádio de Vallecas mostra isso. Teremos outras reuniões para ver como definir a questão”, disse o representante, que não encerrou o assunto totalmente, à espera de que nesta terça-feira o jogador anuncie definitivamente a decisão que já tomou. Zozulya não quer divulgá-la antes que fique clara a situação sobre o pagamento de seu salário e os aspectos legais referentes à sua nova situação. Esta, por sua vez, é bastante complexa, já que ele, em tese, só poderia jogar pelo Rayo, pelo Campeonato Espanhol, única competição que a equipe ainda disputa nesta temporada.

Mais informações

“Falamos com todas as partes envolvidas, porque há muitas coisas a resolver. Na terça-feira haverá mais uma reunião e creio que a partir daí será tomada uma decisão definitiva. A situação atual é insustentável e temos de evitar que apareça uma pessoa e encontre mais uma vez uma situação que ninguém quer que se repita”, acrescentou o agente do jogador, que aguarda, agora, que o Rayo se posicione para esclarecer as condições da remuneração do atleta.

Zozulya anunciou a decisão aos seus próximos depois de um dia bastante agitado em Sevilha. O ucraniano não participou do treino do Betis no centro de treinamento, onde alguns torcedores do time tentaram exibir um cartaz em apoio a ele, o que não foi autorizado pelo serviço de segurança do clube. Diante do protesto dos torcedores, o auxiliar técnico do Bétis se dirigiu a eles na tentativa de acalmá-los. Enquanto isso, em um hotel próximo dali, era discutido o futuro do jogador. Os torcedores então se dirigiram ao hotel e expressaram mais uma vez o seu apoio a Zozulya, assim como fez o elenco do clube andaluz. O Rayo Vallecano comunicou aos próximos do jogador que a pressão recebida de sua própria torcida é muito forte.

Zozulya, que tem contrato com o Betis até 2019, tinha chegado a um acordo para jogar de empréstimo na equipe madrilena até 30 de junho. Mas reação hostil de grande parte da torcida do Rayo contra a sua ida ao clube por considerá-lo um militante de extrema-direita, nazista e racista, levou Zozulya a desistir de sua intenção de atuar no Vallecas.

Na última quinta-feira, a Liga espanhola, a AFE, o Rayo e o atleta se reuniram para avaliar a situação. No encontro, decidiu-se que Zozulya tiraria alguns dias de folga para refletir e decidir se atuaria pelo Rayo, a partir do momento em que todas as partes assumiram a responsabilidade de garantir sua segurança e o seu direito de exercer sua profissão.

No EL PAÍS, dezenas de jornalistas trabalham para levar a você as informações apuradas com mais cuidado e para cumprir sua missão de serviço público. Se quiser apoiar nosso jornalismo e ter acesso ilimitado, pode fazê-lo aqui por 1 euro no primeiro mês e 10 euros a partir do mês seguinte, sem compromisso de permanência.

Inscreva-se

Mais informações