Seleccione Edição
Login

Voracidade chinesa deixa 18 milhões de euros no Villarreal e leva Pato

Atacante brasileiro vai para o Tanjin Quanjian, equipe treinada por Cannavaro

Pato vai ganhar cerca de 10 milhões de euros por ano em três temporadas

Pato celebra um gol pelo Villarreal em agosto.
Pato celebra um gol pelo Villarreal em agosto. EFE

A produtividade de Alexandre Pato no Villarreal foi mais rentável na tesouraria do que no campo. O atacante brasileiro durou apenas seis meses na Liga em seu retorno à Europa com o desejo de se redimir, de sentir-se novamente um jogador importante em nível mundial em um campeonato competitivo. O chamado do ouro chinês convenceu Pato e o Villarreal, que herdou cerca de 18 milhões de euros, nove vezes mais do que pagou em agosto ao Corinthians pelo atacante. O Tianjin Quanjian da Super Liga, treinado pelo ex-jogador do Real Madrid Fabio Cannavaro, seduziu o brasileiro com um contrato milionário que pode chegar perto dos 10 milhões de euros (34 milhões de reais) líquidos para cada uma das três temporadas que assinou com o clube chinês, no qual vai se encontrar com o belga Axel Witsel.

No campo, Pato deixou seis gols nos 24 jogos que disputou vestindo a camiseta amarela. No Villarreal, o brasileiro conseguiu voltar a aparecer deixando uma pequena dose de uma evidente qualidade que o transformou em uma das joias mais desejadas quando começou sua carreira no Internacional de Porto Alegre aos 17 anos. O Milan o comprou em troca de 22 milhões de euros (74 milhões de reais).

A explosão de Pato na Europa aconteceu de acordo com seu crescente prestígio. Pato estreou oficialmente em San Siro em janeiro de 2008 com um gol contra o Napoli. Dois dias depois, marcou dois gols contra o Genoa e alcançou a marca de nove gols em sua primeira meia temporada no Milan. As expectativas do conjunto rossonero foram cumpridas e sua potência foi confirmada no ano seguinte, em que, escoltado por ilustres como Maldini, Kaká, Beckham e Ronaldinho, marcou 18 gols em 42 partidas. Seu desempenho o coroou como Golden Boy — melhor jogador europeu com menos de 21 anos — em 2009 e provocou algumas ofertas milionárias que Berlusconi imediatamente rejeitou.

De repente, tudo começou a dar errado e as lesões foram distanciando as aparições de Pato e apagando seu brilho. Depois de seis temporadas, o Milan, onde ele disputou 150 partidas e marcou 66 gols, o vendeu ao Corinthians por 15 milhões. No Brasil não recuperou seu nível, e o Corinthians o cedeu ao São Paulo antes de emprestá-lo ao Chelsea, onde só jogou duas partidas. Após estas etapas fracassadas, o Villarreal jogou a boia e deu uma nova oportunidade para retomar seu nível e se recuperar aos 27 anos. Em seis meses de amarelo, Pato conseguiu se recuperar um pouco, o suficiente para atrair a atenção e os milhões das vorazes equipes chinesas.

MAIS INFORMAÇÕES