Filmes com 11 indicações e nenhum Oscar

Dois filmes indicados 11 vezes saíram da cerimônia do Oscar de mãos vazias. Outros, ganharam todas

Mais informações
Admissão de que houve estupro real em ‘O Último Tango em Paris’ revolta Hollywood
Morre Robert Vaughn, último ator vivo de ‘Sete Homens e Um Destino’
Hollywood dará Oscar honorário a Jackie Chan e Frederick Wiseman
Clint Eastwood: “Leio uma história e vejo o filme que vou fazer. Isso é tudo”

O anúncio dos filmes indicados é a verdadeira antessala para o Oscar. Mas nem sempre ter um elevado número de indicações significa garantia de receber a estatueta na cerimônia. Assim aconteceu com o filme A Cor Púrpura, filme de Steven Spielberg que em 1985 recebeu 11 indicações. Nenhuma terminou em prêmio. Também saiu de mãos vazias, com o mesmo número de reconhecimentos, Momento de Decisão (1977), um filme sobre o mundo da dança estrelado por Anne Bancroft, Shirley MacLaine e o dançarino e coreógrafo Mikhail Baryshnikov.

Recentemente, Trapaça (2013) não transformou em prêmio nenhuma de suas dez indicações, incluindo a de melhor filme, diretor, ator e atriz. O mesmo estranho mérito teve Bravura Indômita (2010) e Gangues de Nova York (2002), o filme de Martin Scorsese, um diretor que só recebeu um prêmio da Academia em sua carreira, por Os Infiltrados (2006).

No extremo oposto das estatísticas, cinco filmes ganharam o prêmio para cada uma de suas indicações. O caso mais notável é o de O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei (2003), com nada menos que 11 indicações e 11 prêmios. O Último Imperador, de Bernardo Bertolucci, foi premiado com nove estatuetas, o mesmo número de indicações, como aconteceu com a comédia musical Gigi (Vincente Minnelli, 1958). Embora menos destacadas, Prelúdio Nupcial (1935) e Matrix (1999) receberam os cinco e quatro Oscar para os quais foram indicados.

Na lista dos mais indicados, Walt Disney é o primeiro: foi 59 vezes em inúmeras categorias (da óbvia animação à de documentários ou som), que resultaram em 26 prêmios, incluindo os honoríficos. É seguido pelo compositor John Williams (45 de melhor trilha sonora e cinco de melhor canção, que viraram cinco estatuetas). Outro compositor Alfred Newman (A Canção de Bernadette, ...E os Anos Passaram) acumulou 43, que viraram 9 Oscar, e o diretor de arte Cedric Gibbons (À Meia Luz, Júlio César, Sinfonia de Paris), 38, que terminaram sendo 11 prêmios.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS