“A escravidão da mulher é das coisas mais desastrosas que acontecem” e outras 19 frases do Pontífice

Na entrevista exclusiva com o EL PAÍS, o pontífice falou da vitória de Trump, do populismo ou o papel da mulher na Igreja

Uma criança beija ao Papa durante sua visita ao centro de emigrantes de Moria na ilha de Lesbos (Grécia), o 16 de abril de 2016.
Uma criança beija ao Papa durante sua visita ao centro de emigrantes de Moria na ilha de Lesbos (Grécia), o 16 de abril de 2016.ANDREA BONETTI / AFP

EL PAÍS publicou ontem uma ampla entrevista com o papa Francisco.  Estas são algumas de suas frases destacadas: 

  • Minha personalidade não mudou. Mudar aos 76 anos é se maquiar. Não posso fazer tudo o que quero lá fora, mas a alma das ruas permanece, e vocês a veem
  • O pior mal da igreja hoje é o clericalismo. Quando o pastor se torna um funcionário público.
  • Mas me assustar ou me alegrar com o que possa acontecer com Trump, nisso acho que podemos cair numa grande imprudência – sermos profetas ou de calamidades ou de bem-estares que não vão acontecer. Veremos o que ele faz e, a partir daí, avaliaremos 
  • Hitler foi eleito por seu povo, e depois destruiu seu povo. Esse é o perigo: busquemos um salvador que nos devolva a identidade e defendamo-nos com muros dos outros povos 
  • A Teologia da Libertação foi positiva na América Latina. E também teve desvios, sobretudo na parte da análise marxista da realidade
  • Ainda falta muito para que a mulher possa dar à Igreja a originalidade de seu ser e de seu pensamento 
  •  Uma Igreja que não é próxima não é Igreja. É uma boa ONG
  • No centro do sistema econômico está o deus dinheiro e não o homem e a mulher
  • O fato de o Mediterrâneo ter se transformado num cemitério deve nos fazer pensar
  • Quando eu sentir que não posso mais, meu grande mestre Bento já me ensinou como se deve fazer. E se Deus me levar antes verei do outro lado
  • O mundo virtual da comunicação é muito rico, mas você corre o risco se não vive uma comunicação humana, normal, de tocar!
  • A América Latina está sofrendo um forte embate de liberalismo econômico forte, desse que eu condeno quando digo que “esta economia mata”.
     
  • Não há natalidade. Preferimos sair de férias, temos um cachorrinho, um gatinho. E se não houver natalidade não há vocações

  • Sempre, no restaurante da vida, nos oferecem pratos de ideologia. Você pode se refugiar nisso. São refúgios, que o impedem de tocar a realidade
     
  • A independência da África foi do solo para cima, reservando-se o subsolo. Ou seja: são sempre usados e escravizados...
     
  • Com os imigrantes: primeiro, salvá-los. Depois, acolhê-los o melhor possível. Depois, integrá-los 
     
  • A discussão irmana muito. A discussão com bom sangue, não com a calúnia
     
  • Não assisto televisão. Simplesmente senti que Deus me pediu isso, no dia 16 de julho de 1990 e eu fiz essa promessa
     
  • O mediador é aquele que faz com que as partes ganhem mesmo que ele perca. A diplomacia do Vaticano tem de ser mediadora, não intermediária
     
  • A escravidão da mulher é das coisas mais desastrosas que acontecem

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: