Editoriais
i

Um futuro para Cuba

Morte de Fidel Castro deveria abrir o caminho para a democracia

Fidel discursa em Havana, em 2000
Fidel discursa em Havana, em 2000ADALBERTO ROQUE / AFP

Noticiada a morte de Fidel Castro, e dadas a relevância do personagem e a enorme marca que deixou, é inevitável abrir uma discussão sobre o valor e o significado de sua figura. Ninguém pode entender o século XX de forma adequada sem fazer referência à Serra Maestra, à crise dos mísseis cubanos e à resistência tenaz oferecida pela Cuba de Fidel Castro diante das pressões dos Estados Unidos.

Mais informações

Mas, quando o tempo da reflexão der lugar ao da ação, só restará uma pergunta relevante no ar: o que será de Cuba? Desde 1959, a ilha representa uma anomalia na geografia política do continente americano. Enquanto os vizinhos latino-americanos transitavam de forma turbulenta e ziguezagueante entre a democracia liberal, o autoritarismo conservador, o populismo de esquerda e de volta à democracia, Cuba consolidou um modelo de partido único, economia coletivizada e alianças internacionais tão inédito como irrepetível.

Desde então, os entusiastas do castrismo e da Revolução Cubana se serviram dessa anomalia para denunciar a falsidade das promessas da ordem liberal-democrática. Para os críticos, entretanto, Cuba simboliza todos os erros possíveis de uma ideologia, o comunismo, que em todos os lugares onde se impôs transformou a utopia marxista de uma sociedade igualitária em uma imensa prisão a céu aberto, caracterizada pela repressão das liberdades e uma forte escassez material.

Mas, indo além do julgamento histórico e moral, que indevidamente desenhará seus matizes de acordo com a perspectiva e os marcos de referência adotados, o importante agora é pôr fim a uma segunda anomalia, talvez ainda mais excepcional: o prolongamento do castrismo, um regime estabelecido no cruzamento entre a Guerra Fria e os movimentos de descolonização da segunda metade do século passado, até bem entrado o século XXI. Porque a maior crítica que se pode fazer ao regime castrista é a de ter feito muito para se fossilizar e muito pouco para se antecipar a um futuro que, claramente, sabia-se inevitável.

Como mostram os casos da China e do Vietnã, uma vez terminada a Guerra Fria os regimes comunistas demonstraram a capacidade de gerar líderes capazes de ler as demandas por mudança provenientes de suas sociedades e combiná-las com as oportunidades oferecidas por um ambiente internacional em mutação. Cuba, entretanto, decidiu, também nesse quesito, ser uma exceção, em que o regime castrista antepõe seus preconceitos ideológicos às necessidades da sua população e demonstra, além do contínuo rechaço a abrir espaços ao pluralismo político, uma completa incapacidade de prover sequer um mínimo bem-estar material.

Fidel Castro soube espremer ao máximo o conflito com os EUA para garantir o apoio diplomático e econômico dos inimigos de Washington, passando, sucessivamente, dos braços da União Soviética para os da China e, finalmente, os da Venezuela de Chávez. Mas nesse caminho de dependência Cuba construiu uma economia inviável e um regime tão galvanizado pelo conflito e fechado à mudança que estes se tornaram dois obstáculos formidáveis para uma mudança pacífica. Por isso, o julgamento mais severo a ser feito sobre Fidel Castro e sua figura não deveria se centrar tanto no seu passado, e sim na sua incapacidade de antecipar o futuro. Castro deixa uma sombra tão longa que, teme-se, poderá se projetar sobre o horizonte, bloqueando ou transtornando as reivindicações da população por uma mudança pacífica e democrática.

A sociedade cubana deseja hoje uma mudança, mas as ferramentas para transformar esses desejos em realidade são muito rudimentares. É verdade que desde que Fidel Castro se afastou do poder e o deixou nas mãos de seu irmão Raúl, em 2006, ocorreram alguns avanços importantes. Mas foram e são muito lentos e insuficientes. A normalização das relações com os EUA e a mudança na política econômica e migratória são sem dúvida um bom ponto de partida, que esperamos que Trump saiba respeitar. Também é um bom ponto de partida a decisão da União Europeia de pôr fim à política de sanções e promover uma aproximação crítica sobre a base de um novo acordo de cooperação econômica e comercial.

A morte de Fidel Castro deveria oferecer uma oportunidade para um novo começo em Cuba, a possibilidade de ajustar o relógio para o século XXI e permitir que os cubanos possam transitar de forma rápida e pacífica para uma democracia representativa e uma economia aberta. E a Espanha, que ficou deslocada e sem capacidade de influência por causa da teimosia do Governo de José María Aznar em se congraçar com os EUA à custa de uma política de desnecessária dureza com Cuba, sendo ultrapassada por outros sócios europeus, tem agora a chance de acompanhar e apoiar um processo de abertura que, além de inevitável, deve ser pactuado e inclusivo.

Mais informações