Eleições Estados Unidos

Obama vai à Europa para tranquilizar aliados após vitória de Trump

Presidente dos EUA chega a Atenas para a primeira escala de seu último périplo internacional

O presidente Obama ao lado do ministro da Defesa da Grécia, Panos Kammenos (à dir.), nesta terça-feira em Atenas.KEVIN LAMARQUE

MAIS INFORMAÇÕES

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, chegou na manhã desta terça-feira a Atenas cumprindo a primeira etapa de seu último périplo internacional, com o qual pretende tranquilizar os países aliados após a vitória eleitoral de Donald Trump e seu discurso populista, que durante a campanha sinalizou com uma ruptura em relação a boa parte dos pilares que sustentaram a política de relações exteriores da Administração Obama.

Obama inaugura nesta terça-feira um périplo internacional – o último como governante – pela Europa e pelo Peru que está bem distante da despedida sonhada pelo presidente em fim de mandato, não só porque essa viagem não implica uma passagem de bastão para Hillary Clinton, sua aliada democrata, mas também porque o presidente eleito, Donald Trump, prometeu acabar com boa parte dos pilares que sustentam as relações exteriores de Washington. Trump afirmou que irá repensar o papel dos Estados Unidos, a primeira potência econômica e militar, na aliança da OTAN.

Nesta segunda-feira, durante a primeira entrevista coletiva de Obama depois do resultado das urnas, o presidente foi bastante cordial ao se referir ao seu sucessor, com o qual foi muito crítico durante a campanha, quando chegou a chamá-lo de “xenófobo” e de despreparado para o cargo de presidente do país. “É claro que estou preocupado”, disse Obama, indagado novamente sobre a questão. Ao mesmo tempo, porém, Obama disse que, no encontro que tiveram na semana passada, chamou a atenção de Trump para o fato de que sua vitória foi muito apertada e que, portanto, ele deveria promover “gestos” voltados para o conjunto do país.

Barack Obama e o presidente grego, Prokopis Pavlopoulos, vistoriam a guarda presidencial grega.
Barack Obama e o presidente grego, Prokopis Pavlopoulos, vistoriam a guarda presidencial grega.Lefteris Pitarakis (AP)

O primeiro dia de Obama em Atenas, nesta terça-feira, começa ao meio-dia (hora local) com uma recepção no palácio presidencial de Prokopis Pavlópulos, seguida de uma reunião e posterior entrevista coletiva com o primeiro-ministro, Alexis Tsipras. À noite, participará de um jantar em sua homenagem oferecido por Pavlópulos, para o qual foram convidadas cerca de cem personalidades da política, da cultura e do mundo empresarial.

Espera-se que em seus encontros bilaterais Obama dê um empurrãozinho em favor da reivindicação da Grécia de obter um alívio de sua dívida externa. A passagem por Atenas coincide com a chegada dos credores à Grécia para fazer uma segunda reavaliação do programa de medidas relacionado ao resgate. Sindicatos, partidos sem presença no parlamento e grupos anarquistas convocaram manifestações contra os EUA para a tarde desta terça-feira, com autorização para serem realizadas em dois pontos bem demarcados do centro de Atenas.

Na manhã desta quarta-feira, Obama deve visitar a Acrópole e, em seguida, fazer um discurso ao “povo grego”. Segundo antecipou a Casa Branca, Obama usará esse discurso para falar sobre os resultados das eleições nos EUA e o Brexit, bem como, de modo mais amplo, dos ganhos e desafios da globalização, tal como fez em setembro em sua última intervenção na Assembleia Geral da ONU.

Visita à Alemanha e ao Peru

Visão geral do conselho diretivo da ABAC, que dá início à Semana de Líderes de APEC, em Lima.
Visão geral do conselho diretivo da ABAC, que dá início à Semana de Líderes de APEC, em Lima. (EFE)

Na Alemanha, Obama estará com o Governo que mais fez em termos de acolhimento de refugiados da guerra civil síria, justamente no momento em que Trump prometeu acabar com o programa de acolhimento dos EUA alegando a necessidade de impedir a entrada de terroristas no país. Ainda na Alemanha, Obama irá se encontrar com o presidente da França, François Hollande, e com os primeiros-ministros do Reino Unido, Theresa May, e da Itália, Matteo Renzi.

No Peru, o presidente dos EUA se reunirá com os parceiros do Pacífico – dentre eles o Japão, a Austrália, o México e o Chile –, com os quais assinou o TPP, um acordo comercial que se vê agora ferido de morte. O Fórum Econômico Ásia-Pacífico também contará com a presença do presidente da Rússia, Vladimir Putin, e do mandatário chinês, Xi Jinping.

Com informações das agências internacionais.

Arquivado Em: