Eleições Estados Unidos

Donald Trump suaviza algumas de suas promessas mais polêmicas

Presidente eleito se cerca de seus filhos, políticos veteranos e lobistas para preparar a transição

Donald Trump, na última quarta-feira.
Donald Trump, na última quarta-feira.Evan Vucci (AP)

MAIS INFORMAÇÕES

O republicano Trump explica na entrevista ao Journal, a primeira desde sua vitória nas eleições presidenciais de terça-feira, que o democrata Obama lhe sugeriu algumas ideias sobre a reforma do sistema de saúde durante a reunião entre ambos na quinta-feira.

A reforma do sistema de saúde, que ampliou a cobertura médica a milhões de pessoas que não a possuíam, é um elemento central no legado de Obama. No passado, Trump se mostrou aberto a um sistema que chegasse a todos os norte-americanos, mas na campanha eleitoral retomou o argumento republicano. Era necessário revogá-la completamente, dizia. O fato de seu partido possuir a maioria nas duas câmaras do Congresso o permitiria realizar tal ato.

Agora deixa aberta a possibilidade de não revogar a reforma, mas reformá-la. Segundo Trump, se trataria de manter duas partes da lei: a que proíbe às empresas de saúde privada negar um seguro às pessoas com doenças anteriores, e a que garante que o seguro dos pais cubra os filhos adultos até os 26 anos. “Gosto muito delas”, diz Trump sobre essas partes da reforma.

Em outra entrevista, que será exibida no domingo pela rede de televisão CBS, afirma que revogará a lei do sistema de saúde de Obama, mas que depois irá substituí-la por outra lei com seus elementos principais.

Clinton culpa a Comey

Entre as múltiplas razões para a derrota na terça-feira ante o republicano Donald Trump, a democrata Hillary Clinton vê uma clara: a carta que o diretor do FBI, James Comey, fez pública onze dias antes das eleições. Na carta, Comey revelava que o FBI voltaria a examinar os e-mails que Clinton enviou desde um servidor privado quando era secretária de Estado.

O caso tinha-se dado por fechado em julho, mas a carta de Comey situou-o no meio da campanha e, segundo a candidata democrata, prejudicou-a. "Nossa análise é que a carta de Comey, semeando dúvidas que careciam de base, parou nosso impulso", disse Clinton no sábado em uma conferência com doadoras.

A partir desse dia aconteceram-se as sondagens que mostravam uma redução da vantagem de Clinton sobre Trump. Não está claro que o motivo da queda nas sondagens fosse a carta de Comey, pois a recuperação de Trump começou antes, mas a carta pôde influir.

Dois dias antes das eleições, em outra carta, Comey anunciou que a investigação não dava frutos e não tinha nada suspeito nos correios. Clinton acha que esta segunda carta também foi daninha, já que reforçou o argumento dos seguidores de Trump segundo o qual o sistema estava arranjado com e por isso o FBI decidiu inocentar Clinton.

É complicado formular teorias sobre uma figura excêntrica como Trump, mas uma que circula por esses dias diz que, por conta da divisão do país e do fato de Clinton ter recebido mais votos do que Trump, este deverá atenuar seus ângulos mais agressivos.

Na entrevista com o Journal ele também fala de sua promessa de nomear um promotor especial para processar Hillary Clinton, sua rival democrata nas eleições, pelo uso de um servidor privado de e-mails quando era secretária de Estado. A ameaça de prender Clinton foi um dos eixos de suas últimas semanas em campanha. Entusiasmava seus seguidores. Agora parece voltar atrás.

“Não é algo em que eu tenha pensado muito, porque quero resolver o sistema de saúde, os empregos, o controle de fronteira e a reforma fiscal”, diz o presidente eleito.

Quando na quinta-feira um jornalista o perguntou, na saída de uma reunião no Capitólio, se pediria ao Congresso a proibição da entrada de muçulmanos nos EUA, evitou responder. Essa foi outra de suas promessas de campanha.

Alguns de seus assessores sugeriram que o muro na fronteira com o México, outras de suas principais propostas, já não é tão prioritária. Assim como a ideia que o México pague por ele. “Ele dedicará muito tempo ao controle de fronteira. Talvez não dedique tanto tempo na tentativa de fazer com que o México pague por ele, mas foi uma grande ferramenta de campanha”, disse ao The Washington Post Newt Gingrich, que foi presidente da Câmara dos Representantes nos anos noventa e é conselheiro de Trump.

Para preparar a nova administração, Trump criou uma equipe de transição. Sua obrigação é buscar os membros essenciais do novo governo. Além disso, deverá procurar 4.000 funcionários de alto escalão e deixar tudo pronto para que em 20 de janeiro, quando Obama passar o bastão a Trump, este possa começar a governar.

Na equipe de transição, dirigida pelo vice-presidente eleito Mike Pence, estão os três filhos do primeiro casamento de Trump: Ivanka, Donald Jr. e Eric. Seu genro, Jared Kushner, que teve um papel relevante na campanha, também está na equipe.

Não é a primeira vez que um presidente nomeia um familiar: em 1961 John F. Kennedy nomeou seu irmão Bob promotor geral. Mas chama a atenção que estejam todos os filhos de seu primeiro casamento e, ainda mais, que os filhos tenham sido designados por Trump como responsáveis por comandar seu império empresarial enquanto ele for o presidente. Um dos problemas que Trump enfrenta é o dos potenciais conflitos entre seus interesses empresariais e seu novo trabalho em que pode beneficiar esses interesses.

Outro conflito potencial está na nomeação de consultores e membros de grupos de pressão na equipe de transição. Trump conta em sua equipe com figuras como Jeffrey Eisenach, que trabalhou no setor das telecomunicações, Michael Catanzaro, do setor petrolífero, e Michael Torrey, do setor agroalimentar, segundo o The New York Times. Eles se encarregarão de planejar a futura administração em suas respectivas áreas.

Na campanha, Trump prometeu acabar com a influência dos lobbys. “Toda essa ideia de que ele era alguém de fora que chegaria para destruir o ‘establishment’ político e ‘drenar o pântano’ [a metáfora que usava quando prometia que acabaria com a influência dos lobbys e das corporações] eram frases de ilusionista, e agora ficou revelado que ele o é”, disse ao Times Peter Wehner, um republicano que se opôs a Trump.

Arquivado Em: