Daniel Scioli

“Na rua me dizem: ‘Você tinha razão”

O peronismo tenta voltar, diz o ex-candidato a presidente da Argentina. “Estamos todos conversando com todos.”

Daniel Scioli.
Daniel Scioli. Ezequiel Putruele

MAIS INFORMAÇÕES

Daniel Scioli quase foi presidente da Argentina. Na verdade, era o franco favorito. Mas uma série de fatores, sobretudo a inesperada derrota do peronismo na província de Buenos Aires, fizeram com que perdesse para Mauricio Macri por menos de três pontos percentuais de diferença, há um ano. Scioli luta agora para se manter como uma referência dentro do peronismo, em plena guerra pela sucessão de Cristina Fernández de Kirchner. Mas ele mesmo admite, em entrevista ao EL PAÍS, que neste momento ninguém manda na oposição e que só as próximas eleições definirão essa liderança, embora revele que há conversas entre todos os seus setores. “Todos estamos falando com todos. Isso [a liderança da oposição] é algo que a sociedade irá decidindo com os diferentes processos eleitorais.”

Scioli, que foi vice-presidente de Néstor Kirchner (2003-2007) e governou a província de Buenos Aires durante oito anos. Passou alguns meses recolhido, mas volta agora ao primeiro plano, um ano depois do único debate presidencial de 2015, no qual anunciou tudo o que aconteceria se Macri vencesse: desvalorização cambial, ajuste orçamentário, inflação disparada, aumento exagerado do preço da energia. “As pessoas estão preocupadas porque veem o que eu fui antecipando há um ano, no debate. Perda de direitos, de poder aquisitivo, de tarifas acessíveis, de postos de trabalho. Inclusive em algo tão popular como o futebol. A partir do ano que vem não há o programa Futebol Para Todos”, diz. Isto é, as transmissões voltarão aos canais pagos. Quase tudo o que anteviu aconteceu, embora ninguém tenha muita certeza de que ele não teria feito algo muito parecido, dada a herança deixada pelo kirchnerismo. “Na época diziam que fazíamos a campanha do medo, e hoje muitos me dizem na rua ‘Você tinha razão’. O Governo prometeu às pessoas a revolução da alegria, que ninguém ia lhes tirar o que tinham, e que estariam melhores. E isso não vem acontecendo”, insiste.

Como o resto de peronistas, Scioli tem um problema: a sombra de Cristina Kirchner, que ofusca todos os demais. Sem ela, é difícil fazer qualquer coisa. Com ela também, porque gera muita adesão, mas também muitíssima rejeição. Scioli, que nunca se atreveu a enfrentá-la, evita a polêmica sobre a ex-presidenta. “Ela já disse com toda clareza que não será um obstáculo e que o que busca depois de empoderar o povo argentino é que as pessoas defendam seus direitos”, afirma, dando vazão à tese de que ela não disputará as próximas eleições, em 2017, quando boa parte do Congresso será renovada.

Os escândalos de corrupção, que chegaram ao ápice quando José López, ex-secretário de Obras Públicas, tentou esconder nove milhões de dólares num convento, estão afundando a imagem do kirchnerismo. Scioli diz que sentiu “rejeição, indignação” e, quando se pergunta a ele se é kirchnerista, corrige: “Peronista”. Mas não parece preocupado nem sequer com a possibilidade de as acusações atingirem seu entorno – seu chefe de gabinete e seu tesoureiro estão sendo investigados por financiamento ilegal de suas campanhas. “A luta contra a corrupção deve ser uma política de Estado. Um compromisso de todos os setores políticos. O peronismo está trabalhando para facilitar a aprovação de leis contra a corrupção. Não tem desculpas”, diz.

O peronismo só tem uma chance para ganhar de Macri em 2017: que a economia continue ruim e que a população se volte contra o Executivo. O ex-candidato pede aos argentinos que não se deixem enganar no ano eleitoral. “O Governo vai tratar de dizer que o pior já passou, que o país começa a ver uma recuperação. No ano que vem vão tentar que haja uma sensação de melhora que não será genuína e estará apoiada num enorme déficit fiscal e num grande endividamento. E acredito que depois virá uma segunda etapa de um ajuste muito duro”, ou seja, depois das eleições.

Scioli quer que os argentinos não se esqueçam dos piores dados de Macri: “Na Argentina, neste ano, há 1,5 milhão de pobres a mais”, diz, muito sério, golpeando a mesa. “Neste ano a Argentina se endividou mais do que muitos dos países da região juntos. Foram 40 bilhões de dólares, e outros 40 bilhões no ano que vem. E o que aconteceu quando a Argentina se endividou? Foi terrível.”

O ex-governador nega inclusive que a herança econômica recebida por Macri fosse tão ruim. “Quebrado estava o país em 2002 e 2003, quando assumiu [Eduardo] Duhalde e [depois Néstor] Kirchner. Essa, sim, era uma pesada herança. Agora o país está se endividando em níveis preocupantes para o futuro, e já se sabe o que acontece quando um país se endivida muito: vem o ajuste e o Fundo [Monetário Internacional] para lhe dizer como fazer para pagar essa dívida, e começam a ocorrer cortes [orçamentários] e privatizações.”

Arquivado Em: