Dinossauros

Brasil descobre seu primeiro dinossauro gigante

A nova espécie de titanossauro, encontrada em São Paulo, media cerca de 25 metros

Comparação entre dinossauros brasileiros, de menor a maior: Gondwanatitan faustoi (8 metros), Maxakalisaurus topai (13 metros) e Austroposeidon magnificus (25 metros).
Comparação entre dinossauros brasileiros, de menor a maior: Gondwanatitan faustoi (8 metros), Maxakalisaurus topai (13 metros) e Austroposeidon magnificus (25 metros).

MAIS INFORMAÇÕES

O monumental herbívoro, do qual se encontraram vários fragmentos de vértebras cervicais e dorsais, foi batizado como Austroposeidon magnificus. De pescoço e cauda compridos, cabeça comparativamente pequena e corpo volumoso, o animal vivia, segundo os autores do estudo, onde houvesse selva e rios. Os titanossauros, os maiores animais do planeta, foram muito abundantes no supercontinente conhecido como Gondwana, que reunia, há 200 milhões de anos, as massas continentais da América do Sul, África, Índia, Antártida e Austrália. Outros detalhes da pesquisa, que levou cerca de três anos, serão publicados na revista científica Plos One.

Embora a descoberta seja inovadora, os restos do dinossauro estavam armazenados há 63 anos

Os pesquisadores também detectaram anéis de crescimento ósseo intercalados com um tecido ósseo mais denso, uma característica desconhecida até hoje nos titanossauros. O estudo dos anéis é muito importante porque permite determinar o crescimento do animal e entender a evolução do gigantismo nos dinossauros. Esta pesquisa ainda não é conclusiva neste aspecto, mas outras avançaram no vertiginoso crescimento de espécies como o T. Rex, um animal que crescia a um ritmo de 2,1 quilos por dia.

O Austroposeidon é a vigésima terceira espécie de dinossauro achada e batizada no Brasil, na maioria descobertas a partir dos anos noventa. Os achados paleontológicos brasileiros são modestos em comparação com os da Argentina, a eterna rival nesta matéria, pois, apesar de ter um território três vezes menor, não só acumula mais de uma centena de espécies como também descobriu na Patagônia em 2014 o Dreadnoughtus schrani, o maior animal terrestre conhecido no mundo, um gigante de 26 metros e mais de 60 toneladas. Os especialistas explicam esse abismo entre os dois países tão próximos pela formação geológica, entre outros aspectos: no Brasil são raras as rochas do Jurássico, período do qual a Argentina descobriu quase uma dezena de espécies. Influiu também a cultura de pesquisa que há na Argentina, que encontrou seu primeiro dinossauro em 1893, 77 anos antes dos brasileiros (e, claro, o dinheiro).

O desenho ilustra a reconstrução da vértebra do novo dinossauro
O desenho ilustra a reconstrução da vértebra do novo dinossauro

Embora a descoberta seja uma novidade, os restos do dinossauro estavam armazenados havia 63 anos. Os fósseis foram encontrados nos anos cinquenta por um agricultor durante a construção de uma grande estrada no município de Presidente Prudente, a 561 quilômetros da cidade de São Paulo. Um dos principais paleontólogos do Brasil, Llewellyn Ivor Price, foi em busca dele e pôs o achado em lugar seguro, mas morreu três décadas antes de se saber do que se tratava.

“No Brasil falta dinheiro para pesquisas científicas. Fomos priorizando outros estudos antes deste porque os recursos são muito limitados”, lamenta Alexander Kellner, um dos pesquisadores. O investimento em paleontologia no Brasil foi considerado raquítico durante o anúncio do novo dinossauro, pois o custo de materiais para levar adiante o estudo, que não inclui o salário do pessoal já contratado e a bolsa de estudos da estudante que colaborou, foi de apenas 10.000 reais.