Economia Brasileira

Economia encolhe 0,6% no segundo trimestre, em sexta queda seguida do PIB

Investimentos de empresas entre abril e junho têm leve melhora, mas consumo das família continua negativo

Marcos Santos (USP Imagens)

A economia brasileira seguiu em queda no segundo trimestre deste ano. O Produto Interno Bruto (PIB) encolheu 0,6% em relação ao trimestre anterior, a sexta queda consecutiva. Já em relação ao mesmo período do ano passado, o tombo foi ainda maior: um recuo de 3,8%, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado veio pior do que as estimativas de analistas do mercado. Em valores correntes, o PIB chegou a 1,5 trilhão de reais.

MAIS INFORMAÇÕES

Com o desemprego e a inflação em alta, o consumo das famílias voltou a cair pelo sexto trimestre seguido, registrando um recuo de 0,7% em relação aos primeiros três meses do ano. Segundo o IBGE, o freio no consumo reflete a queda no poder de compra dos brasileiros, acossados por uma política restritiva de juros altos para controlar a inércia inflacionária, que ainda se mantém. Em tempos de austeridade, o Governo também gastou menos, algo que afeta o desempenho da economia: 0,5% a menos, em comparação ao trimestre anterior.

Apesar da intensa recessão, houve uma melhora no humor dos empresários que viram com bons olhos a chegada do Governo interino de Michel Temer e da nova equipe econômica liderada pelo ministro Henrique Meirelles. No segundo trimestre, o Brasil teve um pequeno aumento de investimentos. A Formação Bruta de Capital Fixo, medida utilizada para mensurar o capital investido pelo setor privado, registrou o primeiro resultado positivo após dez trimestres consecutivos em queda. Ela avançou 0,4%.

A indústria, que vinha apresentando resultados negativos desde o início de 2015, teve uma leve alta de 0,3% em relação ao trimestre anterior. O indicador ainda é frágil. O setor de construção ainda não conseguiu reverter o quadro recessivo (queda de 0,2% no período), e nem mesmo o setor agrícola (queda de 2%). Os serviços recuaram 0,8%.

As exportações, por sua vez, tiveram expansão de 0,4%. As importações de bens e serviços cresceram 4,5% em relação ao primeiro trimestre do ano.

Segundo o economista Otto Nogami, do Insper, apesar do leve aumento de investimento e da pequena melhora na indústria ainda é cedo para falar em recuperação. "A retomada depende agora de como Temer e a nova equipe vai conduzir o ajuste fiscal. O clima político econômico pode melhorar no próximo trimestre", avalia Nogami.

Nesta quarta-feira, o Comitê de Política Monetária do Banco Central realizou sua segunda reunião e manteve a taxa básica de juros da economia brasileira estável em 14,25% ao ano. Os juros altos, que servem para controlar a inflação, inibem o consumo, o que mantém a economia estagnada. Eis o grande desafio que o presidente Michel Temer, que foi confirmado na presidência nesta quarta, enfrenta a partir de agora.

Arquivado Em: