Olimpíada Rio 2016

Juiz libera protestos nas instalações da Rio 2016, mas Comitê recorre

Haverá multa se atos, incluindo 'Fora Temer', forem censurados

Manifestação contra o Governo interino de Michel Temer, nesta sexta.
Manifestação contra o Governo interino de Michel Temer, nesta sexta. Leonardo Muñoz / EFE

O juiz federal substituto João Augusto Carneiro Araújo determinou nesta segunda-feira que o Comitê Rio 2016  libere as manifestações políticas, incluindo as que pedem o "Fora Temer", dentro das instalações olímpicas. Caso a determinação não seja acatada e os organizadores dos Jogos Olímpicos do Rio continuem censurando a livre manifestação durante as competições, terão que pagar uma multa de 10.000 reais "por cada ato que viole a decisão" do magistrado. A liminar cabe recurso, e o Comitê recorreu da decisão nesta terça.

Mais informações

A decisão liminar (de cumprimento imediato, mas provisória) ocorre apenas dois depois das primeiras noticias sobre torcedores que foram retirados de seus lugares quando gritavam “Fora Temer” ou mostravam cartazes e camisetas contra o presidente interino. Para censurar estes atos, o Comitê Rio 2016 se baseia na lei 13.284, sancionada pela presidenta afastada Dilma Rousseff em 10 maio para a realização dos Jogos. A legislação proíbe bandeiras “que não sejam para fins festivos ou amigáveis”, além de manifestações de caráter “ofensivo, xenófobo, racista ou que estimulem outras formas de discriminação”. A legislação não faz referência a protestos políticos.

O juiz, que pertence a 12ª Vara Federal do RJ, entendeu que a lei assinada por Rousseff trata apenas de manifestações racistas ou xenófobas. Pode haver recursos em instâncias superiores e, eventualmente, a palavra final pode ser dada pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

O Comitê Rio 2016 vem proibindo “qualquer tipo de manifestação política ou religiosa, não apenas as contrárias ao Governo Temer”, dizendo aplicar o conceito de "Arena Limpa", segundo confirmou sua assessoria de comunicação ao EL PAÍS. “Respeitamos a democracia, mas acreditamos que dentro da instalação não é o momento”. Entretanto, além de que os protestos políticos não se enquadram em questões racistas, xenófobas ou “não amigáveis”, o mesmo documento faz uma ressalva em um parágrafo (que tem prevalência sobre os incisos anteriores) e garante “o direito constitucional ao livre exercício de manifestação e à plena liberdade de expressão em defesa da dignidade da pessoa humana”. Esta ressalva não é levada em conta pela organização dos Jogos em casos de protestos políticos porque eles "podem gerar violência e ferir o direito dos demais", segundo o Comitê.

A ação contra a censura foi movida pelo Ministério Público Federal contra a União, o Estado do Rio de Janeiro e o Comitê Rio 2016. Nela, pedia para que os responsáveis pela organização dos jogos se "abstenham de impedir a manifestação pacífica de cunho político através da exibição de cartazes, uso de camisetas ou de outros meios lícitos nos locais dos Jogos Olímpicos Rio 2016".

A promotoria se referia a casos como a de um torcedor no sambódromo do Rio que assistia a uma prova de tiro neste sábado. Acompanhado de sua esposa e seus filhos, foi primeiro impedido por um agente da Força Nacional de levantar o seu cartaz. Momentos depois, quatro agentes se dirigiram até ele por supostamente ter gritado “Fora Temer”. "O próprio rapaz que gritou admitiu que havia sido ele. Outras pessoas disseram o mesmo, mas não adiantou, então deu no que deu. Começamos a discutir", explicou a esposa do torcedor ao EL PAÍS. "Um agente chegou a dar voz de prisão, mas questionamos qual era a alegação. Dois deles tentaram levar meu marido a força, pegando pelos braços e pelas pernas. Então ele decidiu acompanhar os agentes numa boa".

A discussão foi gravada e o vídeo viralizou nas redes sociais. Outro caso gravado foi o de um grupo de 12 torcedores que estava no estádio Mineirão, para ver a partida de futebol feminino entre EUA e França neste sábado. Tampouco puderam permanecer em seus lugares, já que nove deles vestiam camisas com letras estampadas que, posicionadas na ordem corretas, formavam a frase “Fora Temer”.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete