Como o defensivo Bauza comandará um dos melhores ataques do mundo?

Patón, campeão com San Lorenzo e Liga de Quito, troca o São Paulo pela seleção Argentina

Edgardo Bauza, à frente do São Paulo no estádio Monumental.
Edgardo Bauza, à frente do São Paulo no estádio Monumental.Télam
Mais informações
Messi anuncia que não joga mais pela seleção argentina
Procura-se um treinador (inclusive mediante anúncio)

Nem Bielsa, nem Simeone, nem Sampaoli. Tampouco Bianchi, nem Ramón Díaz, nem Russo. Muito menos Caruso Lombardi. Finalmente a Associação do Futebol Argentino (AFA) anunciou que Edgardo Bauza será o treinador da seleção argentina. O até agora técnico do São Paulo foi a alternativa que mais convenceu o presidente interino Armando Perez, contra a opção do próprio governo nacional: Miguel Angel Russo, que ganhou a Copa Libertadores com o Boca Juniors em 2007, quando o clube era presidido por Mauricio Macri. Bauza, ganhador do mesmo torneio, mas com o San Lorenzo em 2014 e a Liga de Quito em 2008, deve chegar ao país nas próximas horas e assumiria a seleção depois dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.

O mistério foi revelado no início da noite de segunda-feira, mas, como não podia deixar de ser na AFA, o anúncio oficial veio tarde. “Patón deixa o comando do São Paulo. Técnico aceita o convite e passa a dirigir a equipe nacional da Argentina”, anunciou o portal do time brasileiro. Em Buenos Aires, 40 jornalistas se amontoaram durante horas na porta do edifício da rua Viamonte à espera de um anúncio oficial que demorou. De manhã, o presidente da comissão normalizadora da AFA, Armando Pérez, havia adiantado que o candidato já estava escolhido. O nome foi conhecido em poucos minutos, mas a confirmação da AFA só saiu por volta das 21h. Armando Pérez não deu muitos detalhes, mas já se sabe que ainda não firmaram um contrato com o escolhido. Isso significa que o novo treinador não estaria blindado no caso de uma mudança de diretoria na AFA.

Edgardo Patón Bauza é o mais indicado para ficar à frente do clamor para o retorno de Lionel Messi à Seleção? Sem dúvida será a primeira tarefa de peso que deverá assumir o novo treinador, um cultor do jogo ultradefensivo, que agora se verá no dilema pessoal de gerenciar um dos ataques mais goleadores do mundo. Só Messi, Di María e Higuaín contabilizam 94 gols na temporada que acaba de terminar. Mas, claro, será preciso ver o que decide o astro, que tinha uma excelente relação com o treinador que está deixando o cargo, Gerardo Martino.

Bauza e a alviceleste também deverão enfrentar as eliminatórias para a Copa do Mundo da Rússia. Em 15 dias deverão apresentar a lista de convocados para a primeira partida à frente da Seleção, contra o Uruguai pelas Eliminatórias em 1º de setembro. Depois virão a Venezuela (6/9), Peru (6/10), Paraguai (11/10), Brasil (10/11) e Colômbia (15/11).

O Patón Edgardo Bauza nasceu em Granadero Baigorria, Santa Fe, em 26 de janeiro de 1958. Zagueiro aguerrido, brilhou no Rosário Central a ponto de se tornar o segundo goleador histórico desse clube. Fez parte do plantel da seleção argentina para a Copa da Itália em 1990 e encerrou sua carreira dois anos depois. Como treinador, ganhou o Torneio Clausura 2004 do Peru (Sporting Cristal), a Série A do Equador em 2007 e 2010 (Liga de Quito), a Copa Libertadores 2008 (Liga de Quito), a Recopa Sul-americana 2010 (Liga de Quito) e a Copa Libertadores 2014 com o San Lorenzo.

O livro El Método Bauza recorda uma anedota entre Patón e o papa Francisco, conhecido torcedor do San Lorenzo de Almagro, quando ganharam sua primeira Copa Libertadores: “Não o conhecia, mas quando o vi me abraçou e me disse ‘Olá Bauza, não sabe como me deixou contente’. Disse-lhe que graças a ele as pessoas tinham voltado para a igreja. Vou guardar esse abraço para sempre”. Os mais fanáticos, aqueles que pedem pressão no ataque e jogo bonito, já relacionam aquele abraço com esta nomeação e, sarcásticos, dizem que se trata do primeiro milagre do papa Francisco.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS