Seleccione Edição
Login

Procura-se um treinador (inclusive mediante anúncio)

Belgas recrutam técnico através de classificado não site de sua federação

Seleções dá Espanha, Inglaterra e Argentina também precisam designar treinador.

Marc Wilmots, durante ou jogo dá quartas de final dá Eurocopa contra ou País de Gales.
Marc Wilmots, durante ou jogo dá quartas de final dá Eurocopa contra ou País de Gales. EFE

Você tem experiência no mundo do futebol e obteve resultados? Acredita que demonstrou ter capacidade para transmitir conhecimentos táticos e estratégicos a um grupo formado pelos melhores jogadores do mundo? Lida bem com as situações que exigem alto rendimento? Acha que é capaz de implantar uma cultura parecida para chegar a ele e domina a gestão de grupo? Está disposto a se integrar e trabalhar numa organização que lhe oferecerá instalações para treinar sob um sólido marco financeiro, comercial e de comunicação? Envie um e-mail à Federação Belga de Futebol. No site da Federação, você terá acesso ao e-mail de Chris Van Puyvelde, o diretor técnico. A seleção que ocupa o segundo posto no ranking da FIFA, atrás apenas da Argentina, procura um treinador através de um anúncio detalhando o perfil que deseja. Aceita inscrições até o último dia de julho. Saiba também que, se você for escolhido, estreará em 1o de setembro no estádio Rei Balduíno, em Bruxelas, contra a Espanha – que não colocou anúncio, mas também procura um inquilino para seu banco.

Baile de técnicos na América do Sul

As eliminatórias para o Mundial recomeçam em setembro na América do Sul e, após seis rodadas, sobrevivem apenas quatro dos 10 técnicos iniciais: os dois líderes, Óscar Tabárez do Uruguai e Gustavo Quinteros do Equador, e dois argentinos, José Pékerman (pela Colômbia) e Ricardo Gareca (Peru). Outro compatriota, Tata Martino, não sobreviveu a uma nova final perdida e à hecatombe causada pelo adeus de Messi à seleção argentina, que ainda não tem substituto em meio ao caos de sua federação (AFA). Por sua vez, o ex-River Plate Ramón Díaz renunciou no Paraguai e não tem ainda um substituto. Outro argentino, Nery Pumpido, pode chegar à Bolívia, que teve 19 treinadores em 20 anos. O último a sair foi Julio César Baldivieso.

No Brasil a sucessão já foi solucionada. Saiu Dunga e chega Tite, do Corinthians, com uma promessa de excelência e modernidade – mas contra a espada, pois, se não der um passo imediato à frente, a Seleção certamente estará em apuros para garantir um lugar no próximo Mundial.

Além disso, convém considerar que os belgas já se interessaram por alguém mas não foram correspondidos. “No momento, seu interesse é treinar um clube, não uma seleção”, explica Jean Pierre Bernes, agente do francês Laurent Blanc, que acaba de abandonar o comando do Paris Saint-Germain. Mas à bandeja de Van Puyvelde podem chegar outras saborosas opções. Esperava-se um e-mail de Michel Preud’homme, mas não parece provável que ele aperte o botão “enviar”. “Tem um contrato com o Bruges e certamente o respeitará”, diz Bart Verhaeghe, vice-presidente da federação, responsável pela comissão técnica e máximo dirigente do atual campeão da Liga Belga, treinado pelo ex-goleiro da seleção do país. Assim, até mesmo Louis Van Gaal poderia reconsiderar sua ideia de escrever novas páginas como sucessor do defenestrado Marc Wilmots, a quem deram passaporte após o fiasco da Eurocopa, apesar de ter contrato assinado até 2018. “Se Van Gaal se propõe como candidato, vamos analisar. Sabemos que somos um destino atrativo”, diz Van Puyvelde, que continua esperando o e-mail. Nas últimas horas, tudo indicava que Rudi Garcia (que treinou Hazard no Lille e Nainggolan no Roma), Alain Perrin (cujo último destino foi a seleção chinesa) ou até mesmo Marcelo Lippi poderia entrar no casting.

Mas os belgas e os espanhóis não são os únicos que procuram técnicos para suas seleções. Outras oito equipes que disputaram a Eurocopa têm ou estão a ponto de ter uma cara nova. A Inglaterra procura um sucessor para Roy Hodgson, e o favorito é Sam Allardyce, um veterano de longa trajetória que na temporada passada salvou o Sunderland, evitando que o time perdesse seu lugar na Premier League. A alternativa é Steve Bruce, aquele defensor de ferro que se consagrou no Manchester United e que acaba de liderar o retorno do Hull à máxima categoria. Na Inglaterra, uma comissão técnica entrevista os candidatos e os dois passaram por ela, de modo que a decisão é iminente e deve ser divulgada nesta semana.

Anúyncio publicado pela federação belga de futebol.
Anúyncio publicado pela federação belga de futebol.

A Rússia tem o desafio de ser a anfitriã do próximo Mundial e já encontrou uma alternativa a Leonid Slutsky, que deixa a seleção do país para ficar com o emprego no CSKA. No dia 23 será divulgado seu sucessor, que provavelmente será Stanislav Cherchésov, em negociações com os dirigentes. Na época em que jogava, ele ocupou o lugar de Rinat Dassaev no gol da seleção. Como treinador, passou sem muito destaque por vários destinos antes de emigrar há um ano para o Legia Varsovia, com o qual conquistou o título na Polônia.

Na Ucrânia, a decepção de ser a primeira equipe eliminada da Eurocopa fulminou Myhailo Fomenko e abre espaço para o lendário Andriy Shevchenko, que há quatro anos, chuteiras recém-penduradas, rejeitou a oferta que aceita agora. Estreará como técnico e contará com a ajuda de Mauro Tassotti, seu ex-companheiro no Milan, e do espanhol Raúl Ruiz González-Riancho, que durante anos trabalhou com Manolo Preciado e passou pelos times Rubin Kazan e Dínamo de Kiev.

Na Itália, com Antonio Conte já em Londres à frente do Chelsea, já assumiu o veterano Giampero Ventura, um clássico que nunca tinha sido visto nos melhores palcos; na Islândia, também estava previsto o adeus do sueco Lars Lagerbäck para deixar o comando solitário à sua meia laranja na Eurocopa, Heimir Hallgrimsson; na Suécia, a transição entre Ibrahimovic e a nova geração que ganhou o último europeu sub-21 será pilotada por “Janne” Andersson, que substitui Erik Hamrén, um prêmio para outro técnico de larga experiência que acaba de surpreender dando o título de campeão ao Norrköping, após concluir uma trajetória de cinco anos de retorno da segunda divisão. Os ares de mudança também chegam a outros países do Leste Europeu: na República Checa, Pavel Vrba aceitou uma oferta do Anzhi Makhachkala russo e seu cargo será ocupado por Karel Jarolím, que treinava o Mladá Boleslav, atual campeão. E na Romênia, Anghel Iordanescu será substituído pelo veterano alemão Christoph Daum, que ficou dois anos fora de combate após ser destituído pelo turco Bursaspor, e com uma carreira que decaiu depois de deixar o Bayer Leverkusen no final dos anos noventa e de alguns problemas de dependência que impediram um acordo para dirigir a seleção alemã.

MAIS INFORMAÇÕES