Chavismo tenta eliminar a MUD, o principal partido da oposição da Venezuela

Manobra busca evitar referendo revogatório do mandato de Nicolás Maduro

Jorge Rodríguez (à direita) chega ao CNE.MIGUEL GUTIERREZ (reuters_live)

O chavismo tirou um ás da manga nesta terça-feira. Jorge Rodríguez, prefeito de Caracas e dirigente do Partido Socialista Unificado da Venezuela (PSUV), solicitou ao Conselho Nacional Eleitoral (CNE), controlado pelo governismo, que anule o registro da coalizão oposicionista Mesa da Unidade Democrática (MUD) como partido político, por causa de supostas fraudes cometidas na coleta das assinaturas para a convocação de um referendo revogatório do mandato do presidente Nicolás Maduro.

Mais informações

Rodríguez disse que mais de 50.000 assinaturas – cerca de 1% do total necessário para convocar o referendo – foram anuladas por “irregularidades muito graves”, e outras 250.000 por não cumprirem os requisitos exigidos para sua validação. “É a fraude eleitoral mais gigantesca já cometida neste país”, afirmou o prefeito de Caracas.

O referendo revogatório foi uma iniciativa da MUD, e a eventual cassação do partido representará um revés nesse processo. “Como será possível ativar um artigo da Constituição [sobre o referendo revogatório] com um embasamento tão profundamente manchado?”, perguntou-se o governista após se reunir com a presidenta do CNE, Tibisay Lucena, a quem entregou o documento que formaliza o pedido de cassação do registro da MUD. O Conselho Eleitoral avaliará nos próximos dias o processo aberto pelo partido governante.

Enquanto isso, Henrique Capriles, governador do Estado de Miranda e ex-candidato presidencial, qualificou como “loucura” a manobra do chavismo: “Essas loucuras têm uma intenção por trás: roubar o [referendo] revogatório do povo venezuelano”.

A tensão aumentou por causa da ausência de uma resposta do poder eleitoral sobre o referendo. O CNE havia prometido se pronunciar antes da terça-feira sobre as assinaturas validadas pela oposição no fim de junho, mas isso não aconteceu. No final da tarde, prometeu que esse anúncio sairá na próxima segunda.

A oposição convocou para esta quarta uma mobilização em todas as sedes principais do Conselho Eleitoral no país para exigir uma data para confirmar 20% das assinaturas do eleitorado – mais de quatro milhões, a cifra necessária para convocar o referendo. “Acredito que a senhora Lucena esteja subestimando o povo venezuelano… Está brincando com a paciência do povo”, disse Capriles.

O chavismo perdeu popularidade por causa da atual crise política e econômica que domina a Venezuela. Uma pesquisa recente do instituto Venebarómetro mostrou que 64% dos eleitores venezuelanos revogariam o mandato de Maduro se houvesse uma votação agora.

Condições para o diálogo

Em outras ocasiões, o chavismo já tentou impedir a ativação do processo revogatório. Em junho, moveu uma ação no Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) por causa da suposta fraude nas assinaturas apresentadas pela oposição para solicitar o referendo.

Mas a oposição diz que esse referendo revogatório é a única maneira de manter um diálogo com o Governo. “O referendo é inegociável. A quem pergunta pelo diálogo nós dizemos: não vamos fazer o papel de idiotas úteis”, afirmou Capriles.

O diálogo, a principal aposta de Maduro para a crise política, tem a mediação do ex-chefe de Governo espanhol José Luis Rodríguez Zapatero e dos ex-presidentes Martín Torrijos, do Panamá, e Leonel Fernández, da República Dominicana. Tanto a oposição quanto o Governo concordaram com a incorporação de representantes do Vaticano.

Horas antes do pedido de anulação do registro da MUD, Jesús Chuo Torrealba, secretário-geral da agremiação, havia qualificado como um avanço a libertação de 28 pessoas consideradas presos políticos.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: