Amy Winehouse

Amy Winehouse: uma recordação em canções inéditas

Com músicas nunca publicadas, um percurso pelo legado da cantora, morta há cinco anos

Show de Amy Winehouse no Rock in Rio de Madri em 2008. CLAUDIO ÁLVAREZ / EL PAÍS VÍDEO

Há cinco anos, em 23 de julho de 2011, o mundo se emocionava com a notícia da morte de Amy Winehouse. Seu legado era breve, mas impactante. Aquela jovem que se consumia em vida representou a última grande estrela da música popular, uma voz sensacional e arrebatadora que deixou algumas canções inesquecíveis.

Pouco depois de sua morte, comentou-se que existiam muitas composições inéditas gravadas. Com o tempo, muitas delas apareceram na Internet. Nesse apanhado foram escolhidas somente seis delas (entre descartes e interpretações na televisão) de um número ainda maior de possibilidades.

Long Day

O disco Frank foi a bem-sucedida estreia de Amy Winehouse, que se transformou em uma estrela da noite para o dia. Essa canção fala do cansaço existencial e a força da esmagadora rotina em uma pessoa que gostava de viver apaixonadamente. Composta em sua primeira etapa, parece antecipar todas as consequências de se transformar em uma estrela e perder a intimidade, tal e como acabou acontecendo em sua vertiginosa vida.

When My Eyes

Das sessões de Frank também vem essa estupenda composição, que chegou a ser considerada para fechar o disco. Amy canta mais como uma diva do jazz, com um estilo entre retrô e contemporâneo, que lembra a grande Dinah Washington, mas que sempre se movimenta em seu próprio território, com sua impagável voz aveludada e ferida. Com sua letra fantasiosa, capta a época feliz antes de cair no abismo existencial das drogas e da solidão.

Teach Me Tonight

A talentosa vocalista já mostrou seu amor por Dinah Washington, a quem tanto devia musicalmente falando, no programa de Jools Holland na BBC. Lá interpretou ao piano Teach Me Tonight, uma canção famosa na voz de Washington. Na verdade, colocamos essa por constatar como Dinah a influenciou, mas foi incluída na edição deluxe de Frank.

Jazz n'Blues

Uma das composições mais antigas de seu repertório. É uma colaboração com Edward Bigham, dos anos anteriores à publicação de Frank. Com uma cadência algo jazz, a música mostra o fraseado de Winehouse que mais tarde faria tanto sucesso. O título é uma referência aos dois gêneros dos quais a cantora tanto gostava.

Detachment

Essa canção está no documentário Amy, que repassa o auge e a queda da artista. Faz parte das sessões de Back to Black, em 2006. Dessa forma, como todo o álbum, é uma reflexão sobre o tóxico relacionamento amoroso que tinha com Blake Fielder-Civil.

Alcoholic Logic

Uma dura radiografia da vida de Amy Winehouse no período em que compôs e lançou Back to Black. A letra compara seu abuso de álcool e drogas com a perigosa e obsessiva relação com Blake. E o faz com uma espécie de rap, um R&B atual denso e cantado de maneira desafiadora.