GUERRA DE CARTÉIS

Mãe de El Chapo foge do santuário do cartel de Sinaloa

Organização criminosa leva a idosa de avião para um lugar seguro depois do ataque à aldeia natal de Guzmán Loera. 150 moradores deixam a região por medo

A mão de El Chapo Guzmán abandonou La Tuna, no México. Depois do ataque de um grupo armado que tomou no sábado passado o povoado natal de Joaquín Guzmán Loera e saqueou sua casa, a idosa foi pega pelo serviço de segurança do cartel de Sinaloa e levada de avião para um destino seguro. Sua saída do santuário dos narcotraficantes é, acima de uma fuga, um sinal de ocaso: o começo do fim do poder de Joaquín Guzmán Loera.

Mais informações

Durante décadas, incluindo os dias mais sombrios da guerra de cartéis, era impensável um ataque ao vilarejo que viu crescer o maior traficante de drogas do planeta e muito menos a sua mãe. Só que agora, preso e a ponto de ser extraditado para os Estados Unidos, a mensagem ficou clara. As regras foram quebradas. Seu feudo está em disputa. E não há limites.

O ataque foi feito por 150 homens armados. Um exército inteiro para um povoado que não chega a 100 habitantes. Chegaram em plena luz do dia e se dividiram, e um comando de seis pessoas, com fuzis de assalto, invadiu a mansão de Consuelo Loera. Sabiam que naquele dia o chefe regional do cartel, Aureliano Guzmán Loera, El Guano, estava fora e que a mulher estava desprotegida. Na casa, tomaram as chaves de todos os veículos (dois carros e três motos) e os levaram. Não tocaram na mulher. Mas estava feito o alerta. E, para o caso de alguém ter alguma dúvida, os agressores incendiaram casas, atiraram em carros e não hesitaram em matar pelo menos três moradores.

A autoria da incursão ainda é um mistério. Os meios de comunicação locais falam no cartel dos irmãos Beltrán Leyva, organização criminosa que travou uma longa e sangrenta guerra com El Chapo. Inicialmente contratados como seu braço armado, romperam em 2008 com Guzmán Loera, por se sentirem traídos pela prisão de um irmão, Alfredo, El Mochomo. A vingança abriu o caminho para uma tempestade de crimes que meses depois culminou na morte de um dos filhos de El Chapo, Edgar, fuzilado por 15 assassinos num shopping center em Sinaloa.

O caos durou vários anos, até que novos inimigos – o brutal combate levado a cabo pelo Estado mexicano contra os traficantes e a morte a tiros em dezembro de 2009 de Arturo Beltrán Leyva, o Chefe dos Chefes – enfraqueceram a quadrilha e fizeram dela uma sombra do que fora. Mas o rancor nunca desapareceu. Ficou à espera ao longo do tempo, e agora é exatamente o filho de El Mochomo, o traficante cuja prisão desencadeou a guerra entre os cartéis, que lidera parte das hostes do cartel dos Beltrán Leyva e supostamente ordenou o ataque ao território sagrado de El Chapo.

A incursão também foi encarada como um sinal da desintegração interna do cartel de Sinaloa. Segundo fontes da polícia, a organização criminosa, formada por células federadas, vive um período de ajuste, no qual os diversos grupos que a integram, depois da perda do líder, tentam ampliar seu raio de ação. O resultado é uma luta intestina, sangrenta e subterrânea, que respinga em muitos e que levou à intervenção por parte de chefões históricos, como o legendário – e nunca preso – Mayo Zambada, confrontado pelos rebeldes e ambiciosos filhos de Guzmán Loera, Iván e Alfredo, Los Chapitos.

Num cenário assim, poucos duvidam da iminência de uma guerra aberta. Diante da possibilidade de novos banhos de sangue, cerca de 250 famílias deixaram La Tuna e seus arredores, no município de Badiraguato. Encravado no triângulo dourado, este íngreme território da Sierra Madre ocidental, entre Sinaloa, Durango e Chihuahua, esconde uma das regiões de maior produção de Ópio da América. Um tesouro pelo qual há anos lutam os cartéis e até agora sob a lei de Guzmán Loera. Mas com a queda de El Chapo, a cobiça se espalhou. E ninguém está a salvo.

Mais informações

O mais visto em ...

Top 50