Mazinho, campeão mundial em 1994: “Antes pensávamos na camisa; hoje, não sei”

O ex-jogador analisa a situação da seleção brasileira, eliminada na fase de grupos da Copa América

Mazinho, nesta segunda-feira em Barcelona.
Mazinho, nesta segunda-feira em Barcelona.Joan Sánchez

Campeão do mundo na Copa dos Estados Unidos em 1994, Mazinho (Paraíba, Brasil, 1966) conversou com o EL PAÍS num quiosque à beira-mar em Gavà, município da província de Barcelona. Seus filhos Thiago e Rafinha foram formados sob a chancela de La Masía, academia de formação do Barcelona. Enquanto o primeiro, jogador do Bayern, começa sua jornada na Eurocopa, o segundo, jogador do Barça, espera disputar os Jogos Olímpicos depois de a seleção brasileira ter sido eliminada na fase de grupos da Copa América.

Mais informações

Pergunta. O Brasil deixou de ser o Brasil?

Resposta. Hoje em dia existem tantos interesses no futebol... As grandes promessas do futebol brasileiro estão todas no Shakhtar. O maior fabricante de jogadores brasileiros é a Ucrânia. Eles vão ao Brasil, compram os jogadores quando têm 16 anos e quando completarem 18 os levam para a Ucrânia. Compram por quatro milhões de euros e depois vendem por 40. Um bom negócio, mas nós não acabamos a formação dos nossos jogadores. E eles não os vendem mais cedo porque a FIFA não permite. O negócio vem antes da formação.

P. No entanto, Dunga continua sendo designado como o maior responsável...

R. Não acredito que o problema seja o Dunga. O problema são os próprios jogadores. O treinador tem menos influência nisso, embora, é claro, possa ter parte da culpa.

P. Qual?

R. O esquema de jogo: jogadores muito defensivos e sem jogadores criativos. O problema é que não temos esse tipo de jogadores.

P. Nem atacantes?

R. Acabaram todos. Nosso homem se chamava Adriano, mas com todos os problemas dele, acabou se arruinando. E como ele, Pato, Fred e podemos falar de outros mil. Eu gostaria de saber o que acontece na cabeça desses jogadores.

P. Eles não têm fome?

R. Não sei, mas não é como antes. Quando fui convocado para a Copa de 94 eu comprei fogos de artifício e os disparei na minha casa, de tanta alegria. Antes nós pensávamos muito na camisa. Agora, não sei. Não sei se é por causa do dinheiro, ou se muitos preferem sair de férias.

“O problema não é Dunga. Faltam-nos jogadores criativos”

P. Quando se perdeu o futebol brasileiro vistoso?

R. Há pouco tempo, pensava: quando perdemos a técnica? Acho que foi quando ganhamos a Copa do Mundo de 1994, porque foi quando mudamos o esquema de jogo. Nunca antes uma equipe brasileira tinha jogado no 4-4-2. O nosso futebol era um 4-3-3 ou 4-1-5. Não tínhamos homens fixos no meio-campo. Mas, pela necessidade de ganhar um título nos Estados Unidos, mudamos o esquema. Na época, fazia 24 anos desde a última vez que o Brasil havia conquistado uma Copa do Mundo e Parreira pensava que tinha que igualar a força europeia. Ele deixou Bebeto e Romário à frente, sem preocupações defensivas, e os outros tinham de trabalhar como loucos. A partir daí os clubes brasileiros começaram a copiar o sistema. Esse futebol cheio de combinações que tínhamos parecia lento porque os jogadores não se movimentavam, mas não era verdade. Corria a bola, não os jogadores. Ninguém era capaz de nos roubar uma bola. Não havia essa pressa.

P. Agora o resultado tornou-se mais importante do que o jogo?

R. Sim, porque se um treinador perde três jogos vai para a rua e isso os deixa inseguros. Não existe um plano a médio ou longo prazo. Tudo se resume ao resultado. Começamos a jogar com “operários” e os jogadores mais técnicos foram ficando de lado. Acabaram os camisas 10, acabaram os pontas, e já não produzimos tantos grandes laterais. Hoje jogamos em função do Neymar.

P. É impossível não depender de um jogador como o Neymar?

R. É normal depender de um jogador assim. Acontece com a Argentina em relação ao Messi, e isso que eles têm muitos jogadores de qualidade. A presença dele muda os automatismos, que quando não existem a equipe não sabe o que fazer. Claro que você pode ter um jogador que resolva uma partida, mas você tem de pensar no coletivo. E isso é o que acontece com o Brasil. Criou-se uma dependência tão grande do Neymar que quando ele não joga alguma coisa falha.

“Não há plano a médio ou longo prazo. Tudo se resume no resultado”

P. Neymar é o último expoente da essência do jogador brasileiro?

R. No momento não podemos falar de outro jogador. Talvez amanhã surja outro jogador importante, mas agora não há outro. Em 70 era o Pelé e mais quatro em volta dele; em 82 tínhamos Sócrates, Zico e Falcão, que eram o máximo. Em 90 e 94 havia jogadores importantes. Antes, cada time no Brasil tinha cinco jogadores de nível internacional. E quem não era torcedor do Flamengo ou do Fluminense sabia o time que tinham. Hoje, eu que sou torcedor do Vasco de Gama, não sei a escalação do time. Perdemos essa fábrica de jogadores.

P. Você fica triste que o Thiago não jogue pelo Brasil?

R. Fico, sim, mas não é culpa dele. Foi culpa da CBF. Em 2006 ou 2007 ele recebeu a primeira convocação para a seleção espanhola sub-17. Eu não queria e telefonei para o Brasil, todos os meus amigos da seleção de 94 trabalhavam na CBF. Disse a eles que aqui na Espanha eles deveriam observar três jogadores: Thiago, Rafa e Rodrigo. Três jogadores que estavam surgindo muito bem. E eles disseram que a política era que não queriam jogadores formados fora do Brasil. “Somos brasileiros”, eu disse a eles. Mas se em casa nos dizem não, então vamos jogar para a Espanha. Mas voltemos ao que eu estava falando, dos interesses que existem no mundo do futebol. Os grupos de empresários entram no meio e querem que joguem na seleção os seus jogadores que atuam nos clubes do Brasil, porque se jogarem na seleção poderão se vendidos para clubes da Europa. Ninguém fez dinheiro com o Thiago. Tem muita gente trabalhando de uma forma muito suja no futebol.

P. Por que o Thiago não consegue explorar todo o seu potencial?

R. Talvez ele tenha perdido a confiança, antes arriscava muito. Ele também teve problemas com lesões, que o seguraram um pouquinho. Outro dia nós conversávamos e eu disse: “Tente voltar a arriscar, a romper as linhas, é a única forma de recuperar a confiança. Se você falhar é porque tentou e as pessoas vão entender. O futebol é uma diversão. Você tem de voltar a se divertir”.

P. Como está o Rafinha?

R. Quando começou a ter confiança e a jogar, ele se machucou. Hoje está muito bem. Ele tem uma estrutura física diferente daquela do Thiago e é mais vertical. Ele teve a infelicidade da lesão e é normal que tenha tido problemas musculares, mas o Rafa está num bom momento.

Regras

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: