Suíça rejeita plano de renda básica para todos

77% dos eleitores são contra o pagamento de 2.250 euros para cada adulto

Daniel Haeni (E) e Enno Schmidt, promotores da iniciativa para a renda básica universal na Suíça. ALEXANDRA WEY EFE
Mais informações

Segundo os defensores da proposta, a introdução de uma renda mensal de 2.500 francos suíços (9.000 reais) para cada adulto e 625 francos para cada menor de 18 anos promoveria a dignidade humana e os serviços públicos. Para seus opositores, entre eles o Governo, a medida seria muito dispendiosa e enfraqueceria a economia.

Vitória moral

“Como empresário sou realista e contava com um apoio de 15%, agora parece que são mais de 20%. Acho isso fabuloso, sensacional”, disse Haeni à SRF. “Quando vejo o interesse da mídia, até no exterior, percebo que estamos criando uma tendência”, disse.

A Suíça é o primeiro país a celebrar um referendo nacional sobre uma renda básica incondicional, mas outros países, como a Finlândia, estudam planos similares.

O Governo suíço tinha encorajado os eleitores a rejeitar a campanha, dizendo que o plano custaria muito e minaria a coesão da sociedade. O plano incluía substituir total ou parcialmente os benefícios sociais.

A campanha em favor da renda básica foi muito criativa e incluiu um desenho maior que um campo de futebol com a pergunta “O que você faria se tivesse renda garantida?”, uma manifestação de “robôs” pelo centro de Zurique e a distribuição de notas de 10 francos.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: