Donald Trump sobe o tom racista e promete acerto de contas

Candidato republicano afirma que o juiz que cuida da falsa Universidade Trump está impedido por ser hispânico

Donald Trump Eleições EUA
Donald Trump durante comício em San José (Califórnia). AP

Quem acreditava que, uma vez garantida a sua indicação como candidato do Partido Republicano para as eleições presidenciais dos Estados Unidos de em novembro, Donald Trump reduziria a sua agressividade se enganou. Nada disso. Trump não adotou um tom mais magnânimo. Ele não tem o menor interesse em parecer um estadista.

Nos últimos dias, o magnata tem sinalizado que, caso chegue à Casa Branca, fará um acerto de contas com empresas e juízes que se opõem aos seus desígnios. Além da provável candidata democrata em novembro, Hillary Clinton, o alvo de seus ataques nesta semana foi Gonzalo Curiel, o juiz federal que cuida do caso da suposta fraude cometida por Trump com a falsa universidade que leva o seu nome. Curiel, nascido no Estado de Indiana, nos EUA, e cidadão norte-americano, está, na visão de Trump, impedido para tratar do caso por ter origem mexicana.

Trump afirma que seu posicionamento contra os imigrantes sem documentação e sua promessa de fechar a fronteira com o México impedem o juiz Curiel de julgar com imparcialidade o caso da chamada Universidade Trump, que é, na realidade, um conjunto de pequenos cursos para se aprender os truques do mercado imobiliário. Alguns clientes chegam a pagar 35.000 dólares. Em 2013, o promotor-geral de Nova York, Eric Schneiderman, denunciou o magnata nova-iorquino por “conduta fraudulenta, ilegal e ação enganosa”.

“Vou erguer um muro. Isso representa um conflito de interesse inerente”, afirmou Trump ao The Wall Street Journal. Em mensagem divulgada na rede social Twitter, o ensaísta neoconservador Max Boot, um republicado que anunciou que irá votar em Clinton, resumiu o raciocínio de Trump da seguinte maneira: “Trump em resumo: sou racista. Os latinos sabem disso. Assim, é injusto permitir que um latino julgue o meu caso. Mereço um juiz branco”.

Os ataques de Trump a Curiel incomodam alguns dirigentes republicanos. Poucos depois de anunciar que irá apoiá-lo nas eleições, o presidente da Câmara dos Representantes, Paul Ryan, afirmou: “O comentário feito outro dia sobre o juiz é fora de propósito, na minha opinião. É um pensamento que não compartilho”.

O cultivo dos ressentimentos contra a minoria mais pujante em uma sociedade na qual a população branca vem perdendo peso é um dos pontos essenciais para o sucesso de Trump.

Trump domina a arte da vendetta. Pelo que dizem suas palavras, ele está disposto a usar o cargo para levar a cabo suas vinganças. Ao juiz Curiel, ele disse: “Voltaremos a nos ver em novembro. Não seria incrível se eu fosse presidente e voltasse e abrisse um processo civil?”.

O ataque à divisão entre poderes e a retórica racista não são as únicas inovações introduzidas por Trump na atual campanha. Poucas vezes a mistura entre interesses privados (Trump como empresário) e públicos (Trump como candidato à Casa Branca) foi tão escancarada nos Estados Unidos. Trump afirma que, quando for presidente, irá reabrir a Universidade Trump. No final deste mês de junho, ele viajará à Escócia para a reinauguração de um campo de golfe de sua propriedade. Será como candidato à presidência? Como empresário? Não fica claro.

Mais vinganças. Esta semana, a PGA Tour, associação que organiza os torneios de golfe de elite, anunciou a transferência de um de seus campeonatos do campo de golfe de Trump, no sul da Flórida, para o México. “Dá para acreditar nisso?”, reagiu Trump em um comício. “Mas não tem problema. Tudo vai se arranjar, meus amigos. Votem em Donald Trump para presidente. Se eu for presidente, isso tudo vai parar de acontecer”.

As ameaças a entidades privadas e a pessoas que exercem cargos públicos coincidiu com insultos aos jornalistas –em uma entrevista coletiva, Trump chamou um correspondente da rede ABC de “ruim” e “sem vergonha”—e com choques violentos ocorridos durante seus comícios. Na quinta-feira, em San José, opositores do candidato republicano agrediram apoiadores seus.

MAIS INFORMAÇÕES