Editoriais
i

Os 40 anos do EL PAÍS

Este jornal encara o futuro com liberdade, independência e inovação

Exposição de aniversário do jornal.
Exposição de aniversário do jornal.

Em 4 de maio de 1976 nascia o EL PAÍS, “ao amparo de uma convicção irrenunciavelmente democrática” (como anunciava o seu primeiro editorial) e com uma firme vontade de independência e defesa da liberdade. Nesta quarta, quando se completam 40 anos da sua fundação, mantemos estes princípios plenamente vigentes, ao mesmo tempo em que confrontamos um dos grandes desafios dos meios de comunicação em todo o mundo: entrar de cabeça na revolução tecnológica e na mudança de paradigmas que vivemos.

O jornal, que foi pioneiro na defesa da liberdade na Espanha, colocou-se agora à frente da inovação para transformar os novos desafios em oportunidades e continuar sendo o líder indiscutível da imprensa mundial em espanhol, referência para a formação de uma opinião pública plural e independente como base da democracia.

Editoriais históricos de EL PAÍS (em espanhol)

A comemoração de um aniversário sempre tem algo de nostalgia e de lembranças para todas as pessoas que tornaram possível a história de uma instituição (além dos leitores, sua razão de ser e seu destinatário básico). No número especial do 40º aniversário, que o EL PAÍS publica nesta quarta-feira, essas lembranças podem ser lidas em artigos de personalidades, entrevista com figuras destacadas e reportagens sobre o que aconteceu na Espanha e no mundo nestes 40 anos.

É hora de fazer um balanço destas quatro décadas e do papel que o jornal desempenhou na formação da democracia espanhola e no desenvolvimento desse país num mundo cada vez mais global. Mas também é hora de liderar os novos tempos com espírito inovador. O cenário em que nos encontramos é o da transformação permanente; a sociedade digital representa uma mudança revolucionária à qual só se pode responder com valentia e com decisões de ruptura quando necessário for.

Coincidindo com as celebrações do 40º aniversário, o EL PAÍS inaugurou sua nova Redação em Madri. Sua estrutura e a nova forma de trabalhar se propõem a ser um exemplo de jornalismo audiovisual e interativo. É um erro pensar que a tecnologia é inimiga do jornalismo. Pelo contrário, o mundo digital rompe barreiras e abre uma nova forma de se comunicar com um público mais amplo, variado e diverso. Hoje, nosso jornal tem mais de 16 milhões de leitores mensais, metade dos quais nos lê em seu celular.

O EL PAÍS empreendeu esta nova etapa com a decisão de um líder e com a ambição de continuar defendendo os princípios da sua fundação. Os canais e os meios mudam, mas o jornalismo continua sendo o mesmo: procurar a notícia, decidir se é relevante, apurá-la com rigor, contá-la bem e publicá-la com liberdade. É isso que fazemos.