Editoriais
São da responsabilidade do editor e transmitem a visão do diário sobre assuntos atuais – tanto nacionais como internacionais

União antiterrorista

Acabam as divisões causadas pelo 11 de março. Esperamos que o exemplo se multiplique

Manuela Carmena (esquerda da imagem) e Cristina Cifuentes posicionam coroa no aniversário do 11 de março, acompanhadas por Mariano Rajoy.
Manuela Carmena (esquerda da imagem) e Cristina Cifuentes posicionam coroa no aniversário do 11 de março, acompanhadas por Mariano Rajoy.Samuel Sánchez (EL PAÍS)
Mais informações

A melhor notícia dos 12 anos transcorridos desde os atentados de 11 de março é o final simbólico das divisões entre espanhóis sobre a maior agressão terrorista sofrida por este país. Uma série de agentes patogênicos se empenhou em provocar confusão sobre os autores da dor indiscriminada semeada pelas bombas, a ponto de ter se recusado a aceitar a responsabilidade dos grupos jihadistas, colocada em evidência pela polícia e pela justiça, preferindo agarrar-se a conjuras de outra natureza. As associações de vítimas do terrorismo deram um exemplo de unidade durante os atos realizados em memória dos 192 mortos e mais de 1.500 feridos, ajudando a cicatrizar as feridas do 11 de março de 2004 em um momento tenso da vida nacional.

É de louvar que essa unidade simbólica tenha sido compartilhada pela política. Autoridades madrilenhas de diferentes partidos deram uma ênfase especial a isso, visível na participação conjunta da presidenta da Comunidade, Cristina Cifuentes, e da prefeita da capital, Manuela Carmena, nos atos realizados. Os líderes nacionais não se encontraram nos atos de memória, mas pelo menos se conduziram com prudência e evitaram palavras ou gestos dissonantes sobre o fato central que os convocou à memória e ao respeito.

Um clima de união é importante não só para fechar as feridas do passado, mas para se preparar para arranhões futuros. Por maior que seja o esforço da polícia e da justiça, não estamos livres de atentados. É preciso proteger a luta antiterrorista do vai-e-vem político e enfrentar os acontecimentos difíceis, como a crescente presença de espanhóis entre os presos por atividades relacionadas ao jihadismo. Os vazamentos de documentos do Estado Islâmico, conhecido na quinta-feira, revelou a identidade de cerca de 22.000 jihadistas de meia centena de países, entre os quais figura ao menos meia dúzia de espanhóis.

Não menos claro é o dado de que quase metade dos presos na Espanha por terrorismo islamista entre 2013 e 2015 era composta por espanhóis; e que não se trata apenas ou majoritariamente de lobos solitários, mas de indivíduos conectados com redes e células com funções operativas, algumas delas decididas a agir na Espanha, como explicaram na quinta dois especialistas no assunto no EL PAÍS.

É preciso que a colaboração, ou pelo menos a não agressão, entre as forças políticas sobre um assunto tão grave se estenda a outras questões importantes que necessitam de amplos consensos. Claro que não é fácil, dada a divisão que reina nas fileiras da política. A persistência da ameaça jihadista é uma razão de peso para que não demorem os acordos que permitam constituir o novo Governo da Espanha, mas não é a única. Se foram necessários 12 anos para soldar um aspecto simbólico da unidade contra o terrorismo, esperamos que não seja necessário perder muito tempo para recuperar um grau suficiente de confiança na política para satisfazer outras necessidades fundamentais dos cidadãos.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: