Para G-20, saída do Reino Unido da UE seria um golpe na economia mundial

Diante da pressão de alguns setores do Partido Conservador britânico, grandes potências alertam para riscos de tensões geopolíticas e queda brusca no preço das matérias-primas

O chanceler britânico, George Osborne, no último sábado em Londres.
O chanceler britânico, George Osborne, no último sábado em Londres.L. MacGregor (Bloomberg)
Mais informações

A delegação do Reino Unido na reunião do G20 em Xangai, neste final de semana, conquistou o apoio explícito para que o país permaneça na União Europeia (UE). Trata-se de uma importante vitória para os britânicos que veem o risco de uma separação da UE, num momento em que alguns setores do Partido Conservador do primeiro-ministro David Cameron, sob o comando do prefeito de Londres Boris Johnson, separam-se da linha oficial e pedem abertamente o voto à saída da União. Desta forma, o Governo vê seu ponto de vista referendado pelas grandes potências mundiais.

O impacto de uma potencial saída da Inglaterra é um dos maiores riscos de desestabilização da economia mundial, segundo o comunicado conjunto feito no sábado pelos ministros das Finanças das 20 maiores potências mundiais. Nos itens seguintes ao Brexit (saída do Reino Unido da UE), o G20 alerta sobre o perigo da volatilidade nos fluxos de capital, a queda brusca do preço das matérias-primas, as tensões geopolíticas e a crise dos refugiados.

Mesmo que a inclusão desse ponto no texto final não figurasse nos rascunhos iniciais, a pressão da delegação britânica conseguiu arrancar duas menções contundentes: o Brexit, diz o G20, seria um “golpe” e uma “comoção” não somente à Europa, mas ao mundo inteiro.

O ministro das Finanças do Reino Unido, George Osborne, destacou ao final do encontro que seus homólogos concluíram “por unanimidade” que a possibilidade de um Brexit é um dos maiores perigos enfrentados pelo crescimento global em um momento de fraqueza generalizada. Em declarações à BBC, o responsável pela economia britânica afirmou que essa questão é “extremamente séria” e não “uma viagem de aventuras ao desconhecido”. “Se é um golpe à economia mundial, imagine o que significaria ao Reino Unido”, afirmou.

A menção a uma potencial saída da UE faz com que esse risco tenha dimensão global e é, sobretudo, um respaldo ao Executivo britânico internamente.

Outros membros de alto escalão presentes na reunião de Xangai, como a diretora do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, e o secretário do Tesouro norte-americano, Jack Lew, também expressaram publicamente seu temor de que o Reino Unido abandone a UE. Até mesmo as autoridades chinesas, pouco afeitas a comentar assuntos domésticos de outros países, afirmaram diversas vezes que são partidárias de “uma Europa unida”.

“A Espanha apoia a permanência, não só pelo tamanho do Reino Unido como economia, mas pela influência positiva que sempre tem sobre as decisões comunitárias”, disse, por sua vez, o ministro da Economia espanhol, Luis de Guindos. “A saída do Reino Unido seria uma má notícia para o próprio Reino Unido, para a UE e para a economia mundial”. Em sua opinião, se trata de um “sentimento generalizado”, informa a agência Efe.

Além do Reino Unido, outro país europeu que esteve nas manchetes nos últimos meses, a Grécia, também foi protagonista em Xangai. O FMI demonstrou no sábado seu temor de que o país helênico tenha dificuldades, já a partir do final de março, para pagar sua dívida e pediu a Atenas rapidez na implementação das reformas, apesar da carga adicional a que se viu submetido em relação à crise dos refugiados. Segundo publicação da revista alemã Der Spiegel no sábado, o FMI se preocupa especialmente com a disposição de muitos países europeus em mostrar uma maior flexibilidade com o Governo grego no cumprimento dos compromissos adquiridos com o terceiro resgate por conta da crise de refugiados.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: