Corrupção na FIFA

Infantino, novo presidente da FIFA

Secretário geral da UEFA vence Salman Al-Khalifa por 115 votos a 88 e é o novo presidente da entidade

Infantino venceu eleição nesta sexta.
Infantino venceu eleição nesta sexta.Mike Hewitt (Getty)

Gianni Infantino, secretário geral da UEFA, foi eleito nesta sexta-feira o novo presidente da FIFA. O suíço impôs-se ao xeque de Bahrein Salman Al-Khalifa na segunda votação por 115 votos a 88. O terceiro foi o príncipe jordaniano Ali bi al-Hussein, com quatro votos.

Na primeira rodada de votações para a eleição do novo presidente da FIFA, Gianni Infantino ficou também diante o xeque do Bahrein. O secretário geral da UEFA venceu por 88 votos a 85, enquanto o príncipe jordaniano Bin Ali e o francês Jérome Champagne ficaram com 27 e 7 votos respectivamente. O Congresso Extraordinário da FIFA aprovou além disso um pacote de reformas pensadas para converter o organismo em um ente "moderno, crível e profissional" após uma época marcada pelos escândalos, entre os que destaca a substituição do Comitê Executivo por um novo Conselho, a limitação de mandatos e a separação de poderes.

Mais informações

A FIFA aprovou este pacote de reformas com o voto favorável de 179 das 207 federações nacionais que tinham direito a voto. A FIFA fixou-se em quatro valores para guiar esta reforma estrutural: governo, transparência, contabilidade e diversidade. Em virtude disso, o Comitê Executivo, que tinha 24 membros mais o presidente, será substituído pelo Conselho da FIFA, que terá 36 membros mais o presidente, cujo papel será menos determinante e exercerá mais como um embaixador.

Estes membros do Conselho serão eleitos pelas diferentes confederações e todos deverão ser submetido a um exame de elegibilidade por um comitê independente da FIFA. Além disso, terão uma limitação de três mandatos de quatro anos a cada um. Por outra parte, a FIFA impulsiona a separação de poderes entre decisões políticas e decisões econômicas "para evitar conflitos de interesses e favorecer as boas práticas". Desta forma, cria-se um novo cargo, o Responsável pela Conformidade, para supervisionar a atividade do secretário geral, que deverá informar todas suas atividades ao Conselho. Toda esta estrutura estará monitorada pelo novo Comitê de Auditoria e Conformidade.

Além disso, a FIFA comprometeu-se a dar maior protagonismo ao futebol feminino, incrementando também o número de mulheres nos órgãos de decisões, e criou um novo comitê para dar voz a ligas, clubes, jogadores, treinadores e árbitros. Todas estas novidades têm como objetivo converter o organismo em algo "moderno, crível e profissional". "Estamos unidos em nossa determinação de arranjar as coisas e que o foco volte a centrar no futebol. O duro trabalho de restabelecer a confiança e melhorar nossa forma de trabalhar começa agora. Este novo sistema ajudará a restaurar a confiança em nossa organização e impedirá infrações no futuro", confiou o presidente em funções, Issa Hayatou, que explicou que o presidente eleito nesta sexta-feira cumprirá seu mandato até 2019 e não até 2020. De acordo aos estatutos, o candidato ganhador completará o mandato que começou Joseph Blatter, eleito no final de maio passado e que renunciou em 2 de junho, acossado pelos casos de corrupção.