DESASTRE DE MARIANA

Polícia Civil pede prisão preventiva de ex-presidente da Samarco por desastre de Mariana

Inquérito responsabiliza sete pessoas por rompimento de barragem da mineradora, em Mariana (MG)

Mais informações

A Polícia Civil pediu nesta terça-feira a prisão preventiva do presidente licenciado da mineradora Samarco, Ricardo Vescovi, e de mais sete pessoas que estariam envolvidas com o rompimento da barragem de Fundão, em Mariana (MG). A tragédia deixou 19 mortos e um rastro de destruição, em novembro do ano passado. 

Todos foram indiciados por homicídio qualificado com dolo eventual (quando, ao agir, uma pessoa assume o risco), inundação e crime de corrupção ou poluição de água potável. O rompimento da barragem fez com que os rejeitos da mineradora se espalhassem por todo o Rio Doce até o litoral do Espírito Santo (a mais de 600 km de distância), atingindo mais de 40 cidades entre os dois Estados.

Além de Vescovi, o pedido de prisão também vale para outros cinco funcionários com cargos de direção, gerência e técnicos da mineradora. São eles: Kléber Terra, diretor licenciado de operações, Germano Lopes, gerente de projetos, Wagner Milagres, gerente de operações, Wanderson Silvério, coordenador técnico, e a gerente de geotecnia, Daviely Rodrigues. Além deles, Samuel Loures, responsável pelos relatórios técnicos sobre a barragem e funcionário da VogBr, que prestava serviços para a Samarco, também foi indiciado.

O inquérito da Polícia Civil, aberto um dia depois da tragédia, em novembro passado, foi apresentando nesta segunda-feira. Ele aponta que diversas falhas e negligência no monitoramento da situação da barragem foram as causas do desastre. O delegado Rodrigo Bustamante, responsável pelo inquérito, qualificou esse como “o maior desastre ambiental da história do país”.

Durante o inquérito, foram ouvidas mais de 80 pessoas, entre elas Ricardo Vescovi, que pediu licença do cargo para cuidar da defesa em outra investigação, feita pela Polícia Federal. Ele e outros diretores da mineradora foram indiciados pela PF em um processo que investiga crimes ambientais, que são da esfera federal.

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, o advogado Leonardo Marinho, que representa a VogBR e o engenheiro Samuel Loures, lamentou o pedido de prisão preventiva e afirmou que a Polícia Civil não ouviu ninguém da empresa durante o processo. Marinho ainda disse que o papel de seu cliente era emitir um “relatório anual de inspeção”. "Ele coletou dados, em julho, dos 12 meses anteriores, e calculou um coeficiente de segurança. De julho até novembro, se passaram quatro meses. A barragem cresceu quatro metros nesse período. Pode parecer pouco em altura, mas não em volume", disse o advogado ao jornal.

A Samarco está em negociações com o Governo para pagar cerca de 20 bilhões de reais pelo desastre. O acordo, que deve ser fechado até a próxima sexta-feira, prevê a realização de dezenas de programas de recuperação ambiental, social e econômica na região do Rio Doce. Por nota, a empresa disse considerar "equivocados" os indiciamentos e o pedido de prisão preventiva e que vai aguardar a decisão da justiça para tomar as providências cabíveis. Também afirmou que está colaborando com as autoridades e que desde a tragédia iniciou uma investigação externa sobre o caso com uma "empresa de renome".