Opinião
i

De FHC a Lula, a zona cinzenta entre o público e o privado no Brasil

Ex-presidentes podem provar que suas atuais polêmicas estão dentro da lei, embora “no limite da irresponsabilidade”

Mais informações

De uma antena de celular suspeita perto de um sítio vip em Atibaia à lavagem de roupa suja de uma jornalista exilada que carrega o rótulo de ex-amante. Duas polêmicas que envolvem a vida privada de ex-presidentes tomam os noticiários nos últimos dias.

O jornal Valor foi o primeiro a levantar a informação de que uma antena da operadora Oi foi instalada próximo ao sítio frequentado por Lula e sua família, aparentemente uma gentileza para favorecer a comunicação do petista.

Mirian Dutra, por sua vez, contou ao jornal Folha de S. Paulo detalhes de seu relacionamento extraconjugal com o ex-presidente tucano Fernando Henrique Cardoso, assegurando ter recebido uma mesada para custear as despesas de seu filho Tomás, através de um arranjo com a empresa Brasif que simulava um contrato de trabalho, pelo qual recebia 3.000 dólares mensais.

Inclua neste cesto de roupa a denúncia desengavetada pelo Supremo há algumas semanas contra o presidente do Senado, Renan Calheiros, de supostamente ter recebido dinheiro de empreiteira para pagar pensão à mãe de uma filha que teve fora do casamento. Calheiros defendeu-se apresentando notas fiscais de seus ganhos, mas o Supremo questiona a veracidade dessas notas.

Quem presta atenção ao noticiário sabe bem que o público e privado no Brasil convivem numa zona cinzenta entre os que detêm o poder. É uma relação “no limite da irresponsabilidade”, emprestando a expressão empregada em 1998 por Ricardo de Oliveira, que foi diretor da área internacional do Banco do Brasil, e captada por um grampo telefônico na época da privatização da Telebras.

Oliveira conversava com o então ministro das Comunicações, Luiz Carlos Mendonça de Barros sobre a concessão de uma carta de fiança generosa ao banco Opportunity para que garantisse a presença de um dos consórcios que iriam comprar parte da antiga estatal de telefonia. O Governo temia que houvesse poucos concorrentes, e precisava garantir o sucesso da privatização, duramente questionada pelo PT, que se refestelou com a repercussão do vazamento das gravações na ocasião, que custaram o cargo de Mendonça de Barros.

Um outro episódio emblemático mostra a dificuldade de separar alhos e bugalhos no Brasil. O aeroporto da cidade mineira de Cláudio, construído com dinheiro público em Minas Gerais num terreno que pertenceu a parentes do senador tucano Aécio Neves, ex-governador do Estado. Em julho de 2014, a reportagem da Folha de S.Paulo visitou o local e encontrou as chaves de acesso ao aeroporto nas mãos de parentes de Aécio.

O assunto rendeu pano para manga a Aécio e o Ministério Público de Minas Gerais acabou arquivando o processo, depois de acatar as justificativas do tucano de que não havia irregularidades no negócio.

É possível que Lula também possa explicar à luz da Justiça, ainda que leve anos para provar, tudo que envolve o famigerado sítio, além do triplex no Guarujá que levanta suspeitas na operação Lava Jato. Idem para o imbróglio de Fernando Henrique e a pensão paga a Mirian Dutra. Tudo pode estar dentro da legalidade, certamente. Mas, como tudo no Brasil, no limite da irresponsabilidade.

Mais informações