'Fast food'

Brasileiros estão entre os maiores consumidores de ‘fast food’ do mundo

Brasil deve ter um dos maiores crescimentos de gasto nesse setor nos próximos cinco anos

Restaurante da rede McDonald´s.
Restaurante da rede McDonald´s. (efe)

MAIS INFORMAÇÕES

De acordo com o levantamento, o gasto com fast food por habitante no Brasil em 2014 foi de 265 reais, e o consumo deve crescer em 30,88% até 2019 — uma das maiores expectativas entre os países estudados, junto com Espanha (48,61%) e China (23,99%). Os espanhóis, aliás, estão entre os europeus que menos gastam com fast food. Cada habitante investe em média 42,6 euros por ano (190 reais). Essa cifra os situa somente atrás dos italianos.

Apesar dos percalços, o McDonald's segue sendo o líder do setor em nível global, com 18.710 pontos de venda, seguido pelo KFC, com 11.798 estabelecimentos, e o Subway, com 10.109 restaurantes. Segundo a pesquisa, parte do sucesso da rede norte-americana está em seu novo enfoque no café da manhã e em suas campanhas de publicidade.

Para 2019, segundo o estudo, os mercados de fast food mais importantes por volume de gasto serão EUA, China e Japão, com um total de 74,7 bilhões de euros (331 bilhões de reais), 45,4 bilhões de euros (201 bilhões de reais) e 31.6 bilhões de euros (140 bilhões de reais), respectivamente. Esse estudo foi desenvolvido pela Strategic & Research Center da EAE Business School com base em dados procedentes do Euromonitor International, que analisa as tendências de mercado e do consumidor em mais de 80 países.

O 'fast food' em todo o mundo

Os japoneses são os que mais gastam em fast foods, com uma despesa média equivalente a 1.024 reais por habitante ao ano. Em segundo lugar estão os norte-americanos e, depois, os australianos. Os que menos gastam são os indianos, com o equivalente a 41 reais por ano. Estados Unidos, China, Japão, Brasil e Reino Unido são os cinco países onde o segmento de fast food fatura mais.

Arquivado Em: